sábado, 31 de outubro de 2015

"Quanto à felicidade, cremos que ela nasce na paz da consciência tranquila pelo dever cumprido e cresce, no íntimo de cada pessoa, à medida que a pessoa procura fazer a felicidade dos outros, sem pedir felicidade para si própria." ..."Eu penso com aquela assertiva do nosso André Luiz, que é um mentor que nós respeitamos, se cada um de nós consertar de dentro o que já está desajustado, tudo por fora estará certo." ...."Cremos que, em matéria de compreensão e experiência, todos nos assemelhamos aos frutos que o tempo vai amadurecendo pouco a pouco." (Chico Xavier)

Gif Bboguri
E depois?


O ser humano é o único dotado de razão, por isso é chamado de racional.

Ser racional é raciocinar com sabedoria, é saber discernir, é pensar, utilizando o bom senso e a lógica antes de qualquer atitude.

Todavia, boa parte de nós não agimos com a sabedoria necessária para evitar problemas e dissabores perfeitamente evitáveis.

Costumeiramente, agimos antes e pensamos depois, tardiamente, quando percebemos que os resultados da nossa ação nos infelicitam.

Paulo, o Apóstolo, que tinha a lucidez da razão, adverte com sabedoria: Tudo me é lícito, mas nem tudo me convém.

Quis dizer com isso que tudo nos é permitido, mas que a razão nos deve orientar de que nem tudo nos convém.

Do ponto de vista físico, quando comemos ou bebemos algo que nos faz mal, não pensamos no depois, mas o depois é fatal.

Se nosso organismo é frágil a certos tipos de alimento, devemos pensar nas consequências antes de ingeri-los, mesmo que a nossa vontade diga o contrário.

Perguntemo-nos: E depois? Como será depois?

Lembremos da gaseificação, do mal estar e de outros distúrbios que advirão.

Se temos vontade de fazer uso de drogas, sejam elas socialmente aceitas ou não, pensemos antes no depois. Será que suportarei corajosamente as enfermidades decorrentes desses vícios? Ou será um preço muito alto por alguns momentos de satisfação?

Quando sentimos vontade de usar o cartão de crédito, pela facilidade que ele oferece, costumamos pensar no depois? Pensar em como vamos pagar a conta?

Quando recebemos o convite das propagandas para o consumo desenfreado, ponderamos racionalmente sobre a necessidade da aquisição, ou compramos antes para constatar, logo mais, que não necessitamos daquele objeto?

No campo da moral não é diferente. Quando surgir a vontade de gozar alguns momentos de prazer, pensemos: E depois?

Quais serão as conseqüências desse ato que desejo realizar? Será que as suportarei corajosamente, sem reclamar de Deus, nem jogar a responsabilidade sobre os outros?

Certo dia, conversando com um fiscal aposentado, ouvimo-lo falar a respeito do vazio que sentia na intimidade e da consciência marcada pelos atos inconsequentes que praticara durante a vida.

Buscou, na atividade profissional, tirar proveito de todas as situações. Arranjava tudo com algum jeitinho e muita propina, mas nunca havia pensado no depois.

E o depois chegou. A velhice o alcançou como alcança as pessoas honestas, mas a sua consciência trazia um peso descomunal, e uma sensação desconfortável lhe invadia a alma.

Não conseguia olhar nos olhos dos filhos e netos, sem pensar no quanto havia sido inescrupuloso. Sem pensar no tipo de sociedade que havia construído para legar aos seus afetos.

Dessa forma, antes de tomar qualquer atitude, questionemos a nós mesmos: E depois?

*    *    *

É melhor que resistamos por um momento e tenhamos paz interior, do que gozar um minuto e ter o resto da vida para se arrepender.



Redação do Momento Espírita.


Gif Bboguri
Ótima noite!!!

quinta-feira, 29 de outubro de 2015

"Onde a maioria vive com a bondade, a maldade da minoria tende sempre a desaparecer." (Cecília - Os Mensageiros) ..."O destino é a soma de nossos próprios atos, com resultados certos." (Ribas, no livro E a Vida Continua) ...."O objetivo da sua vida na Terra não constitui a autoridade, a beleza ou o conforto efêmeros. É o aperfeiçoamento espiritual." (André Luiz) ..."No levantamento do Reino de Deus, a começar de nós próprios, o Senhor não nos pede o impossível, mas é natural espere de nós o melhor que possamos fazer." (Emmanuel) .... "Se alguém te fala que é loucura o esforço que empreendes, silencia e insiste no dever." (Joanna de Ângelis)

 
Gif de ursinho
Uma premissa básica


Os eventos do mundo muitas vezes surgem estarrecedores e inexplicáveis.

São espetáculos de crueldade ou injustiça que desafiam a sensibilidade e o raciocínio.

Perante eles, a criatura humana encontra dificuldade para se posicionar.

Às vezes ela se deixa dominar pela emotividade e tomba em sofrimentos desnecessários.

Acredita que amar ao próximo é agradá-lo e realizar suas fantasias.

Ou então toma para si as dores do semelhante, de forma enfermiça.

Não consegue perceber a razão ou a finalidade de certos eventos dolorosos que atingem os que ama e se desespera.

Com isso, fica sem condições de auxiliar.

Em outro contexto, são os equívocos do próximo que despertam ira.

Falta a compreensão de que os perversos do mundo são enfermos da alma.

Surgem odiosos nos caminhos alheios, por vezes com aparência triunfante.

Entretanto, o mal é sempre lamentável, qualquer que seja a forma pela qual se apresente.

Ninguém escapa da soberana Justiça Divina, sempre perfeita.

Nesse contexto, é mais lamentável quem semeia dores do que quem as sofre.

O sofredor atual está em processo de reajuste perante as Leis Cósmicas, desde que se mantenha digno.

Já o algoz está cavando um triste e sombrio abismo para nele entrar.

A fim de viver de forma equilibrada e pacífica em um mundo ainda tumultuado, importa ter lucidez.

Quem só percebe as aparências, corre o risco de se desesperar ou se tornar um rebelde.

Uma premissa básica a ser considerada na apreciação de qualquer evento é a Lei de Progresso.

Constitui desígnio Divino que todos os Espíritos atinjam o ápice da perfeição.

Entretanto, eles ocupam diversos graus na hierarquia evolutiva e têm as experiências de que necessitam.

Alguns, mais infantilizados ou rebeldes, ainda fazem o mal.

Outros, não muito mais evoluídos, reclamam de qualquer problema e suportam com dificuldade as lutas da vida.

Há os mais adiantados, que enfrentam corajosamente suas provas e quitam os débitos que acumularam em existências pretéritas.

Finalmente, há os realmente evoluídos, que só do bem se ocupam e dão exemplos para os que seguem na retaguarda.

Assim, não há injustiça real no mundo.

Tudo é transitório, fora o bem que se instala no íntimo da criatura.

A maldade é uma loucura muito efêmera, a ser resgatada no futuro.

A dor depura e prepara para vivências mais nobres e também dura bem pouco.

Para apressar a felicidade, impõe-se um ajustamento do próprio ser aos soberanos códigos da vida.

Instruir-se e amar, a fim de auxiliar o progresso, que é uma Lei incontornável.

Pense nisso.


Redação do Momento Espírita.
Gif de ursinho
Ótimo dia!!!


quarta-feira, 28 de outubro de 2015

"Quando te conscientizares de que és espírito em aprendizado inestimável na Terra, e não te sobrestimares, passarás a recolher de cada experiência os resultados benéficos que te podem ser propiciados." (Celeiro de bênçãos, cap. 28) ..."Experimenta substituir os instantes de queixa, por momentos de serviço ao próximo e observa os resultados." (Emmannuel) ..."Cada dia que amanhece assemelha-se a uma página em branco, na qual gravamos os nossos pensamentos, ações e atitudes. Na essência, cada dia é a preparação de nosso próprio amanhã." (Chico Xavier)

Gif arco-íris
Por você mesmo


No contexto da existência imortal, o nascimento e a morte do corpo são fenômenos que se repetem incontáveis vezes.

Quanto à chegada nos berços do mundo, sabe-se o que ordinariamente envolve.

Entretanto, a criatura humana costuma se indagar a respeito de como será sua chegada no plano espiritual.

Por intermédio do fenômeno mediúnico, não faltam relatos a respeito dessa marcante ocorrência.

Conforme a grandeza íntima de quem desencarna, o evento se modifica.

Há os transes angustiosos e os extremamente felizes.

Contudo, em se tratando de Espíritos razoavelmente equilibrados, há um fenômeno um tanto comum.

Muitas vezes, eles são cercados por manifestações do mais puro amor.

Antigos afetos, que o tempo talvez tenha até riscado da memória, ressurgem de improviso.

Amigos, a quem supunham ter prestado pequenos serviços, repontam nesse dia novo, de braços abertos.

Sorrisos espontâneos, por flores de carinho, desabrocham em semblantes luminosos.

Quase sempre, contudo, quem chega se reconhece, nesse festival de pura alegria, como ser obscuro e endividado.

Quanto mais a bondade fulgura em torno, mais ele sente o peso da frustração.

Tem o peito à semelhança de violino quebrado, que não consegue acompanhar a harmonia de júbilo que o rodeia.

Entre a alegria de muitos pelo reencontro, deseja chorar em profundo arrependimento.

Lamenta as lutas recusadas e as oportunidades perdidas.

Deplora a passada rebeldia, ante os apelos do bem.

É que essas lutas benditas lhe teriam granjeado merecimento e luz íntima.

Lamenta também a fuga deliberada aos testemunhos de humildade, que o teriam renovado de modo definitivo.

Percebe-se amparado por indizíveis exaltações de claridade e ternura.

Contudo, por dentro, carrega remorso e necessidade de renovação.

E, por reconhecer que pouco lutou e evoluiu, suplica o retorno a um corpo de carne pois sonha com a redenção e a consciência tranquila, as quais demandam aquisições de experiência e valor.

*     *     *

Se você chora em suas lutas do dia a dia, pense bem antes de reclamar.

Perceba o valor da experiência que o dilapida com vistas a uma felicidade perene.

Entenda as dificuldades por desafios e as decepções por bênçãos.

Elas impedem que você se perca em fantasias e loucuras, em detrimento de seu objetivo real.

Abençoe o pranto que lava os escaninhos do seu ser.

Execute com paciência o trabalho que a vida lhe pede.

Um dia, os companheiros que o precederam na jornada de luz estarão com você em preces de triunfo.

Viva de modo a merecer estar com eles, livre e vitorioso!


Redação do Momento Espírita, com base no cap. 49, do livro Justiça Divina, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Feb.
Em 02.07.2011.





Gif arco-íris
Feliz e abençoado dia!!!

segunda-feira, 26 de outubro de 2015

"Uma vida simples, com prazeres singelos. Parece atraente? Para alguns, a poesia da vida simples é uma aspiração. Não são muitos, mas aumenta a cada dia os que buscam um estilo de vida mais despojado. Enquanto a grande massa se mostra adepta dos benefícios oferecidos pelas cidades, aos poucos o homem se mostra cada vez mais cansado da rotina urbana, enlouquecedora. Poluição, engarrafamentos, ruídos. A floresta de edifícios a se perder no horizonte, escondendo céu e sol. Tudo isso contribui para os estresses e angústias do homem contemporâneo. Quando jovem, é natural que as pessoas desejem os desafios e facilidades das cidades, que oferecem objetos de desejo a cada esquina. São as maravilhas da tecnologia, os bares da moda, as roupas de grife, os belos escritórios, as carreiras. Tudo isso exerce tremendo fascínio. Mas, aos poucos, é possível observar que esse modelo está se esvaziando. Um certo cansaço começa a ser notado. Uma expressão vem ganhando espaço: qualidade de vida. São cada vez mais numerosos os que desejam voltar aos ideais de uma vida simples, uma casa no campo, um contato mais estreito com a natureza. Querem respirar ar puro, ver um pôr do sol dourado, passar noites de tranquilidade em uma rede preguiçosa, manter conversas de fim da tarde. As razões para o esgotamento do modo de vida urbano são o consumismo desenfreado e a sensação de estar numa corrida permanente. No trabalho, o desafio é a competitividade, que atropela o ser humano e o consome, transformando-o em peça de uma fria engrenagem. É um processo perverso, que suga as energias, estimula ciúmes e transforma em inimigos os que deveriam trabalhar em harmonia. E uma pergunta costuma ser feita por quem está nessa roda-viva: dá para viver com simplicidade nas grandes cidades? É possível conciliar as exigências de uma carreira, da vida social e da família com uma rotina mais amena? A resposta é... Sim! É possível conciliar tudo isso. Não é tarefa muito fácil, mas pode ser realizada. Isso porque a simplicidade não é feita de demonstrações exteriores. Ela é um estado de espírito. Não precisamos nos vestir de trapos, nem abrir mão de uma vida normal para ser pessoas simples. A simplicidade está em viver a vida sem exigências descabidas. Quem opta pela simplicidade, descomplica o dia a dia. Muitas vezes nos perdemos em detalhes completamente desnecessários. E, com isso, tornamos insuportável a nossa vida e a dos outros. Observe com atenção e você perceberá: fazemos exigências demais por causa de coisas mínimas, das quais nem nos lembramos depois de algum tempo. Por isso, a opção de viver com simplicidade é, antes de tudo, um jeito de agradecer a Deus pelo que recebemos. Simplicidade é ter sonhos. Mas, se eles não se realizam, por alguma razão, ainda assim a vida não perde a graça. Ou seja, apesar das tempestades, o contentamento permanece inabalável. Quer ser feliz? Seja simples. Experimente o prazer das coisas que estão ao seu redor! Olhe para o céu, veja as nuvens tingidas de ouro no infinito azul. Veja a beleza de livros e canções. Quem disse que não há prazer nas coisas pequeninas que Deus pôs ao nosso alcance? (Redação do Momento Espírita)

 
Gif de flor
A opção da simplicidade


Muitas pessoas reclamam da correria de suas vidas.

Acham que têm compromissos demais e culpam a complexidade do mundo moderno.

Entretanto, inúmeras delas multiplicam suas tarefas sem real necessidade.

Viver com simplicidade é uma opção que se faz.

Muitas das coisas consideradas imprescindíveis à vida, na realidade, são supérfluas.

A rigor, enquanto buscam coisas, as criaturas se esquecem da vida em si.

Angustiadas por múltiplos compromissos, não refletem sobre sua realidade íntima.

Olvidam do que gostam, não pensam no que lhes traz paz, enquanto sufocam em buscas vãs.

De que adianta ganhar o mundo e perder-se a si próprio?

Se a criatura não tomar cuidado, ter e parecer podem tomar o lugar do ser.

Ninguém necessita trocar de carro constantemente, ter incontáveis sapatos, sair todo final de semana.

É possível reduzir a própria agitação, conter o consumismo e redescobrir a simplicidade.

O simples é aquele que não simula ser o que não é, que não dá demasiada importância a sua imagem, ao que os outros dizem ou pensam dele.

A pessoa simples não calcula os resultados de cada gesto, não tem artimanhas e nem segundas intenções.

Ela experiencia a alegria de ser, apenas.

Não se trata de levar uma vida inconsciente, mas de reencontrar a própria infância.

Mas uma infância como virtude, não como estágio da vida.

Uma infância que não se angustia com as dúvidas de quem ainda tem tudo por fazer e conhecer.

A simplicidade não ignora, apenas aprendeu a valorizar o essencial.

Os pequenos prazeres da vida, uma conversa interessante, olhar as estrelas, andar de mãos dadas, tomar sorvete...

Tudo isso compõe a simplicidade do existir.

Não é necessário ter muito dinheiro ou ser importante para ser feliz.

Mas é difícil ter felicidade sem tempo para fazer o que se gosta.

Não há nada de errado com o dinheiro ou o sucesso.

É bom e importante trabalhar, estudar e aperfeiçoar-se.

Progredir sempre é uma necessidade humana.

Mas isso não implica viver angustiado, enquanto se tenta dar cabo de infinitas atividades.

Se o preço do sucesso for ausência de paz, talvez ele não valha a pena.

As coisas sempre ficam para trás, mais cedo ou mais tarde.

Mas há tesouros imateriais que jamais se esgotam.

As amizades genuínas, um amor cultivado, a serenidade e a paz de espírito são alguns deles.

Preste atenção em como você gasta seu tempo.

Analise as coisas que valoriza e veja se muitas delas não são apenas um peso desnecessário em sua existência.

Experimente desapegar-se dos excessos.

Ao optar pela simplicidade, talvez redescubra a alegria de viver.

Pense nisso.


Redação do Momento Espírita. Disponível no livro Momento Espírita, v. 8, ed. Fep.
Boa tarde!!!


domingo, 25 de outubro de 2015

"No momento justo, todos devolverão os haveres que receberam com o uso que fizeram. " (Messe de amor, cap. 37)

Gif de flor
O ponto culminante


Você é um Espírito imortal que temporariamente enverga uma veste de carne.

Já teve infinitas experiências em incontáveis vidas.

Já foi rico e pobre, homem e mulher, saudável e enfermo, a cor de sua pele variou grandemente.

Errou, acertou, errou de novo para acertar com mais propriedade logo depois.

O ato de sua criação perde-se na noite dos tempos.

Entretanto, você se constrói a cada nova experiência.

Embora nem sempre seja feliz em suas escolhas, de cada vida sai mais forte e preparado.

Houve ocasiões em que terminou a trajetória carnal insatisfeito consigo mesmo.

Após cessarem as ilusões da matéria, compreendeu que poderia ter utilizado melhor seu tempo e seus recursos.

Mas também já atravessou vidas sofridas, nas quais resgatou graves débitos e fez importantes aprendizados.

A Lei do progresso é um imperativo universal.

Ela impede que um Espírito perca virtudes e inteligência.

É possível nascer em situações mais complicadas e sucumbir a tentações.

Mas ninguém regride em sua evolução.

Uma vez conquistado determinado valor, ele jamais se perde.

A inteligência cada vez mais se abrilhanta, sem possibilidade de retrocesso.

Desse modo, hoje você está no ponto culminante de sua trajetória milenar.

Jamais foi tão inteligente e virtuoso.

Sabedoria, bondade, capacidade de renúncia e de trabalho, tudo em seu ser se encontra no zênite.

Está no exato ponto da evolução para o qual se preparou e dispõe dos recursos mais adequados à solução de seus problemas.

Sua atual existência foi carinhosamente preparada.

Considerando seus compromissos, erros e acertos, ela retrata uma possibilidade de real elevação.

A título de aprendizado e progresso, ou de provações retificadoras, você possui amplas condições de se sair maravilhosamente bem.

Não importa quão difícil lhe pareça dada exigência da vida, você pode dar conta dela.

Seus familiares são os mais adequados às suas necessidades.

As condições de sua vida são as ideais, conforme a Lei de merecimento que rege o Universo.

Você não é vítima e nem privilegiado.

Recebeu o necessário para ser um agente do progresso e espargir o bem em seu derredor.

À vista disso, importa compreender que a base de sua tranquilidade reside na integridade da consciência.

Todos os problemas que surgem em seu caminho são uma oportunidade bendita de retificação e aprendizado.

As carências são um auxílio a mais, um convite para compreender as tristezas do próximo.

Os recursos são generosos empréstimos da vida maior, em favor de sua felicidade.

Está em suas mãos converter todos esses fatores em luz e paz em seu caminho, mediante uma sábia e digna aplicação.

Pense nisso.


Redação do Momento Espírita, com base no cap. XXX, do livro Coragem, pelo Espírito André Luiz, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Cec.
Em 06.10.2009.

Gif de flor
Uma ótima noite!

quarta-feira, 21 de outubro de 2015

"Amanhecendo, começa o teu dia com alegria renovada e sem passado negativo, enriquecido pelas experiências que te constituirão recurso valioso para a vitória que buscas" (Joanna de Ângelis)



O livro da vida


Benjamin Franklin, inteligência privilegiada do século 18, mais conhecido entre nós pela sugestão do uso de pára-raios em grandes edifícios, escreveu certa vez:

"Quando vejo que nada é aniquilado nos trabalhos de Deus, e nem uma gota d’água é desperdiçada, não posso acreditar que exista o aniquilamento das almas.

Também não posso acreditar que Deus queira suportar o esbanjamento de milhões de mentes já feitas, que agora existem, e dar-se ao contínuo trabalho de fazer outras, novas.

Assim, vendo que existo no mundo, acredito que, sob uma forma ou outra, sempre existirei.

E, com todos os inconvenientes que a vida humana tende a oferecer, não farei objeções a uma nova edição da minha.

Espero, contudo, que a errata da última seja corrigida."

Possivelmente em um momento de bom humor, mas firme nesse seu ponto de vista, Franklin escreveu seu próprio epitáfio:

"O corpo de Benjamin Franklin, impressor, como a capa de um livro velho, seu conteúdo despedaçado e despido de seu título e de seus dourados aqui jaz.

Alimento para os vermes. Mas o trabalho não será perdido.

Pois, como ele acredita, aparecerá mais uma vez, em nova e mais elegante edição, revista e corrigida pelo autor."

Vemos que o grande cientista acreditava, não somente na imortalidade da alma, mas também na reencarnação.

E, como ele, podemos dizer que a nossa vida é um livro que estamos escrevendo e estudando todos os dias.

Os nossos atos vão compondo novas páginas, os nossos pensamentos vão nele sendo impressos. Cada capítulo que concluímos, pela maturidade que vamos alcançando, é mais rico.

Nenhum capítulo é somente dor. Como nenhum é de total êxtase. Lágrimas e dores se confundem, tornando a obra um best-seller.

Cada vida é um livro inédito, sem igual.

É bom lembrar, no entanto, que, quando um autor lança um livro pede a alguém competente no assunto que faça a apreciação do seu trabalho.

Essa apreciação passa a constar como prefácio da obra.

De outras vezes, é o autor mesmo que apresenta a sua obra. No prefácio ele oferece ao leitor dados sobre o conteúdo, razão e finalidade dos seus escritos.

As pessoas quase sempre deixam de ler essa parte e começam a ler o assunto principal.

Justamente por essa forma errada de ler, menosprezando as explicações do autor ou do prefaciador, muito do conteúdo poderá ficar sem um bom entendimento.

O livro da nossa vida também possui um prefácio. É nele que anotamos os projetos e falamos dos nossos objetivos na presente existência.

É no prefácio que assinalamos as diretrizes que deveremos seguir.

Por essa razão, pelo menos uma vez por ano devemos reler o prefácio do livro da nossa vida.

Isto para termos refrescada a memória sobre o que desejamos fazer da nossa existência.

Porque viver não é somente respirar, saciar as necessidades básicas de alimentação, repouso e lazer.

Viver é oportunidade de crescimento, de progresso.

Ninguém nasce para ser um fracassado, derrotado. Cada qual nasce para um grande objetivo: se tornar melhor, subir um degrau na evolução.

Relendo o prefácio do livro da nossa vida, recordando porque nos encontramos aqui, poderemos realizar as correções devidas para aproveitar esta oportunidade, de forma ampla.

Poderemos lembrar de retornar àquele curso que começamos e desistimos. Ou talvez que devamos retornar ao seio da família que um dia largamos, em algum lugar.

Possivelmente nessa lida do prefácio, recordaremos da intensa necessidade de Deus, da religião.

Talvez, em algum momento, reguemos com lágrimas as páginas do prefácio, enquanto a memória reavivada nos remete ao doce aconchego da prece.

Pensemos nisso! Será hoje o momento de proceder à leitura do prefácio do livro da nossa vida?




Equipe de Redação do Momento Espírita com base no artigo Prólogos e prefácios de Octávio Caúmo Serrano, da Revista Internacional de Espiritismo de janeiro/2004 e do cap. Testemunhos sobre a reencarnação (2ª Parte) do livro A Reencarnação através dos séculos de Nair Lacerda, ed. Pensamento.


Gif flor
Ótimo dia!!!

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

"Amar é servir, compreender, auxiliar, abençoar, libertar... Que o teu amor seja paz e vida, alegria e esperança naqueles a quem ofertas dedicação e carinho." (Emmanuel) ...."Estimule as qualidades nobres dos companheiros." (André Luiz) ....."A atitude é oração. E, pela atitude, mostramos a qualidade dos nossos desejos." (Emmanuel)


Reflexão - Amar Alguém


Na vida, a gente só sabe que ama alguém, a gente só tem o direito de dizer a alguém que a amamos depois de ter dito infinitas vezes a esse mesmo alguém a frase: eu perdoo você. Porque na verdade a gente só sabe que ama, depois de ter tido a necessidade de perdoar. 

Antes do perdão a gente pode ter admiração por alguém, mas admirar alguém ainda não é amar, porque admiração não nos leva a dar a vida pelo outro. Admiração é um sentimento, uma situação superficial, eu admiro aquela pessoa, mas eu sei que amo depois de ter olhado nos olhos, saber que errou, que não fez nada certo e ainda sim eu continuar dizendo que "eu não sei viver sem você", "apesar de ter errado tanto continuas sendo tão especial para mim". 

A gente sabe que ama as pessoas assim, depois de ter feito o exercício de olhar nos olhos no momento que ela não merece ser olhada e descobrir ainda ali uma chance, ainda não acabou. Coisa boa na vida é a gente encontrar gente que nos trate assim com esse nível de verdade, gente que nos conhece de verdade, que já foi capaz de conhecer todas as nossas qualidades, mas também todos os nossos defeitos, porque eu não sou só qualidades, eu tenho um monte de defeitos, e só me sinto amado no dia que o outro sabe dos meus defeitos e mesmo assim continua acreditando em mim, muitas vezes nosso amor não é assim, a gente ama o outro pelo que ele faz de certo ou de bom pra nós, e as vezes até elegemos o outro assim "ele é bom demais pra mim". 

E o dia que deixa de ser? Deixou de ser amigo? No dia que falhou, que errou, que esqueceu, no dia que não conseguiu acertar, continua tendo valor pra você? Ou você só ama aqueles que conseguem lhe fazer o bem? Jesus disse que não tinha mérito nenhum em amar aqueles que nos amam, que o mérito está em amar o outro mesmo quando ele não merece ser amado, eu sei que é um desafio, mas essa é tua religião.

Eu creio que não há descanso maior para o nosso coração do que encontrar alguém que nos ama assim, e eu gostaria que você levasse pra sua vida somente as pessoas que te amam assim, com essa capacidade de olhar nos teus olhos quando você não consegue fazer nada de certo, e mesmo assim continua sendo teu amigo e continua acreditando em você. Deixe entrar na sua vida, somente as pessoas que querem te fazer melhor, porque gente que nos diminui nós já estamos cheios. 

Amigos de verdade são aqueles que nos desafiam, são aqueles que nos momentos que estamos na lama, nos olham nos olham e dizem 'você não foi feito pra isso'. Amigo de verdade é aquele que olha nos olhos e nos coloca para sermos mais. Namorado de verdade é aquele que olha nos teus olhos e te respeita como mulher, que te acha linda, mas que te respeita como mulher porque sabe que tu és um coração que muito mais do que necessitado de ser abraçado e de ser tocado, é um coração que merece ser amado, e o amor vem antes do toque. Quem foi que disse que beijar na boca é declaração de amor? Pode até ser uma das demonstrações, mas eu tenho certeza que seu coração se sente muito mais amado no momento que você é olhado de um jeito certo, do que beijado de qualquer jeito! Antes de você entrar na vida de uma menina, olhe bem nos olhos dela e tente fazer com que ela descubra que você ama só olhando pra ela, olhe de um jeito que ela se sinta amada, e se você olhar do jeito certo, você não precisa ter ciúme, porque a mulher que for olhada de um jeito certo, nunca mais vai querer encontrar outro olhar. O homem que for olhado de um jeito certo, nunca mais vai querer outro olhar.

Você ainda pode mudar o seu jeito de amar, você ainda pode mudar o seu jeito de viver, você ainda pode mudar o seu jeito de sorrir, você ainda pode perdoar aquele que você não quer perdoar, você ainda pode tratar bem aquele que você desprezou tanto, porque a vida ainda te dar a oportunidade de você se tornar muito melhor do que você é.


Padre Fábio de Melo





Bom dia!!!

quinta-feira, 15 de outubro de 2015

"O mundo é a oficina. O corpo é a ferramenta. A existência é a oportunidade. O dever a executar é a missão a cumprir. " (Emmanuel)


Gif
Ser e estar


Você já pensou na diferença entre ser e estar?

Embora estes dois verbos sejam utilizados muitas vezes com o mesmo significado, uma reflexão mais detida nos sugere alguma diferença.

Quando dizemos, por exemplo: Eu estou nesta cidade, sugerimos que a nossa estada é passageira e que, em determinado momento, não estaremos mais ali.

Mas se dizemos: Eu sou desta cidade, pode-se entender que vivemos ali e que permaneceremos naquele lugar.

Do mesmo modo quando dizemos: Eu estou faminto. Todos entenderão que é uma situação passageira e que, tão logo me alimente, ela se modifica.

Ora, se observarmos as coisas do ponto de vista do Espírito imortal, as diferenças entre ser e estar se tornam ainda mais perceptíveis.

É por não entender bem o que isso representa que muitos de nós fazemos confusão entre ser e estar. Talvez por gostar da situação em que estamos, desejamos que ela seja permanente.

Assim é no campo do poder e das posses do mundo em que nos encontramos, apenas de passagem, que é o mundo físico.

Neste mundo, nem o corpo físico nos pertence de fato. É apenas um empréstimo para a nossa evolução enquanto Ser Imortal.

Dessa forma, eu não sou um corpo que tenho um Espírito, mas sou um Espírito que estou temporariamente num corpo, que posso deixar a qualquer momento.

Se ocupo uma determinada posição social, estou nessa posição até que a deixe por um motivo ou por outro.

Quando dizemos que somos proprietários de muitos bens materiais, usamos o verbo incorreto, pois na realidade estamos proprietários, por determinado tempo.

Quando dizemos: Eu sou paciente, usamos o verbo inadequado, pois se ainda perdemos a paciência, é que estamos pacientes em determinados momentos.

Nesse particular, Jesus foi o protótipo da paciência, pois essa virtude já fazia parte de Sua intimidade, portanto, uma conquista efetiva.

Por essa razão, é inútil que tentemos dar importância demasiada ao que tem apenas importância relativa e passageira.

No campo do conhecimento não é diferente. Muitos nos dizemos conhecedores desta ou daquela filosofia, mas enquanto não as vivenciamos de fato, temos a teoria, mas não somos verdadeiramente sábios.

Não foi outro o motivo pelo qual Jesus fez a advertência: Se sabeis essas coisas, bem-aventurados sois se as fizerdes.

Isso nos prova que há uma grande diferença entre saber e fazer. Entre ter conhecimento e ser sábio. Entre ser e estar.


*     *     *

Você ocupa uma posição transitória.

Está na posse de muitos bens ou numa condição de miséria.

Você pode estar numa situação privilegiada ou de desgraça.

Você pode estar com as rédeas do poder nas mãos ou apenas obedecer ordens.

Mas tudo isso são circunstâncias que o Criador lhe permite para que aprenda a ser alguém verdadeiramente digno e honesto.

Pense nisso!



Redação do Momento Espírita
Em 28.06.2010


Gif
Ótima noite!!!

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

"Guarda a lição do passado, mas não percas tempo lastimando aquilo que o tempo não pode restituir." ..."Em você existem as causas da sua derrota e vibram as forças de seu triunfo." (André Luiz)

Gif de borboleta
Solte as amarras


Você já pensou porque o elefante, um animal enorme, fica preso a uma corda frágil que, com poucos esforços ele arrebentaria?

Isso ocorre porque o homem usa um meio eficaz de submetê-lo, quando o elefante ainda é um bebê e desconhece a força que tem.

Preso a uma corda, o bebê elefante tenta escapar. Faz esforços, se debate, se machuca, mas não consegue arrebentar as amarras.

A cena se repete por alguns anos. As tentativas de libertar-se são inúteis. O elefante desiste.

Vencido pelas amarras, ele acredita que todos os seus esforços serão inúteis, para sempre.

Assim é que, depois de adulto, o gigante fica preso a uma fina corda que ele poderia romper com esforços insignificantes.

Fazendo um paralelo com o ser humano, poderíamos indagar: Por que um ser tão grandioso, potencialmente criado para a perfeição e a felicidade, se deixa vencer por amarras tão sutis e sem fundamento?

São cordas invisíveis que vão imobilizando um gigante e, por fim, ele se conforma e se submete, sem questionamentos.

Essas cordas podem ser facilmente percebidas. Basta um olhar mais atento.

A ideia de que o homem foi criado para o sexo e não o sexo para o homem, insuflada desde a mais tenra idade, faz com que o adolescente se deprave, se prostitua e se infelicite.

O adulto, acostumado com essa amarra invisível, se reduz a um escravo sexual, infeliz e exausto, quando poderia usar as potencialidades sexuais para a vida e para o amor, consolidando uniões maduras e baseadas no sentimento.

A sutilidade das chamadas para o vício, propositalmente exibidas em cenas de programas e comerciais, cujo maior público é de menores de idade, gera uma potente amarra para o jovem que, para ser aceito pelo grupo se embrenha em cipoais de difícil saída.

A sensualidade mostrada em larga escala como o suprassumo cria clichês de protótipos perfeitos e fisicamente bem esculpidos, infelicitando aqueles que não atendem a tais pré-requisitos.

O culto exagerado ao dinheiro, ao ter, ao status, em detrimento do ser, do desenvolvimento das potencialidades intrínsecas do ser, gera amarras que paralisam muitas criaturas.

Umas porque se tornam escravas do que não possuem e gostariam de possuir, outras subjugadas pelos bens que amealharam e querem reter a qualquer custo.

As amarras são tantas e tão sutis que geram uma paralisia generalizada, submetendo uma gama enorme de gigantes que desconhecem suas potencialidades e seu objetivo na face da Terra.

Ao invés de buscar as estrelas, herança natural dos filhos de Deus, se voltam para o ilusório, para o fútil, para os falsos valores.

Criados para a eternidade, esses gigantes se conformam com as aparências, com o transitório, com a roupa que irão vestir, com o que os outros pensam a seu respeito.

Filhos da luz, se deixam tombar nas trevas da ignorância, da desdita, do desespero.

Vale a pena meditar sobre isso e buscar identificar essas tantas cordas invisíveis que nos impedem de alçar voo.

O voo rumo à liberdade definitiva, rumo às paragens sublimes que aguardam esses gigantes em marcha para a perfeição.
 
*     *     *

Você é um ser especial.

Seu destino lhe pertence. Não se permita prender pelas cordas invisíveis que outras mentes desejam impor a você.

Você tem um sol interior e sua força é muito maior do que possa imaginar.

Rompa com todas as amarras e busque as alturas... Você é filho da luz e herdeiro das estrelas.



Redação do Momento Espírita.
Em 04.07.2011.

Gif de borboleta
Um feliz dia!!!


terça-feira, 13 de outubro de 2015

"O mundo é a oficina. O corpo é a ferramenta. A existência é a oportunidade. O dever a executar é a missão a cumprir. " (Emmanuel) ..."As boas ações são a melhor prece, por isso que os atos valem mais que as palavras." (O Livro dos Espíritos, questão 661) ..."Em hora alguma proclame seus méritos individuais, porque qualquer qualidade excelente é muito problemática no quadro de nossas aquisições. Lembre-se de que a virtude não é uma voz que fala, e, sim, um poder que irradia." (André Luiz)

Gif flor
As rosas do infinito


Em deslumbrante paisagem das Esferas Superiores do mundo espiritual, realizava-se singular exposição.

A paisagem exuberante fora carinhosamente preparada para a ocasião.

Flores de todos os tipos enfeitavam o ambiente numa festa de cores e perfumes.

Diversos mensageiros ali se apresentavam, trazendo os buquês de flores das suas virtudes para uma importante avaliação de méritos.

Os exemplares eram colocados, cada um a seu tempo, sobre uma toalha de linho translúcido para que pudesse se processar a análise das luzes que os coroavam.

O primeiro grupo se aproximou trazendo uma braçada de rosas, tecidas com as emoções do carinho materno que, lançadas sobre a toalha expediram suaves irradiações de azul indefinível, e os anjos abençoaram o devotamento das mães, que preservam os tesouros de Deus, na posição de heroínas desconhecidas.

Em seguida, alegre comissão juvenil trouxe para exame um delicado ramalhete de açucenas, estruturadas nos sonhos e esperanças dos jovens que sabem manter fidelidade ao Criador, e raios verdes de brilho intraduzível se projetaram em todas as direções.

Logo após, lindas crianças foram portadoras de formosa auréola de jasmins, nascidos da ternura infantil, e que, depostos sobre a toalha, emitiram alvíssima luz, semelhante a fios de aurora sobre a neve.

Depois, pequeno agrupamento de criaturas iluminadas trouxe bela grinalda de cravos rubros, colhidos na renunciação dos sábios e dos heróis, a serviço da Humanidade, que exteriorizaram filigranas de luz avermelhada, quais se fossem rubis etéreos.

Em último lugar, compareceu a mais humilde comissão da festa.

Quatro almas, revelando características de extrema simplicidade, surgiram com um ramo singelo e triste. Eram rosas mirradas, de cor arroxeada, mostrando manchas esbranquiçadas ao longo de hastes espinhosas.

Depostas sobre a toalha, inflamaram-se de luz brilhante, a irradiar-se do recinto até a imensidão dos céus.

Inesperada comoção encheu de lágrimas os olhos espantados da enorme assembleia.

E porque alguns dos presentes chorassem com interrogações imanifestas, o grande juiz da exposição esclareceu emocionado:

Estas flores são as rosas de amor que raros trabalhadores do bem cultivam nas sombras. São pérolas de sentimento puro, de fraternidade real, da suprema consagração à virtude, do amor incondicional ao próximo.

Somente as almas libertas de todo o egoísmo conseguem servir a Deus, em meio às trevas e ao desespero.

Os espinhos que se destacam nas hastes agressivas simbolizam as dificuldades superadas...

As pétalas roxas significam o arrependimento e a consolação dos que já se transferiram da desolação para a esperança...

E os pontos brancos expressam o pranto silencioso e aflitivo dos heróis anônimos que sabem cultivar flores de virtudes no pântano, e servir sem reclamar...

E, entre cânticos de alegria, as rosas luminosas das virtudes cultivadas em meio aos sofrimentos terrenos, subiram rutilantes ao infinito...

 
*     *     *

As flores mais sublimes para o céu nascem na Terra, e são plantadas por criaturas que sabem viver para a vitória do bem.

São cultivadas com o suor do trabalho incessante e com as lágrimas silenciosas do próprio sacrifício.


Redação do Momento Espírita com base no cap. 25 do livro Contos e apólogos, pelo Espírito Irmão X, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Feb.
Em 07.12.2009.
 

Gif flor
Feliz dia!!!

domingo, 11 de outubro de 2015

"Educai as crianças, para que não seja necessário punir os adultos." (Pitágoras) ...Um Feliz dia das crianças!!!.............

 
Boneco de massinha
O que se oferta às crianças
 

Quem se habilite a ofertar à criança uma página, um verso, um dizer - que o faça com a unção de quem deposita flores no altar de uma alma...

Quem se atreva a modelar os sonhos das novas gerações e projetar imagens que criarão atos, impulsos, pensamentos - que o faça com a responsabilidade absoluta da beleza e do bem...

É preciso doar à criança o que de melhor nos escorrer do Espírito, em estado de graça e simplicidade!

Algo que possa servir para a vida toda e até mais além, eternidade afora.

A palavra semeada numa alma de criança pode frutificar amanhã radiosa, mas também pode se tornar um espinho indesejável, de que muitas vezes ela não conseguirá se livrar.

Nunca serão excessivos os cuidados que tomemos com o alimento de arte a lhe oferecer.

Quando escritores se debruçarem sobre a página em branco, para respingar idéias e metáforas para as crianças, que se elevem para o infinito, pois é de infinito que devemos fecundar o futuro.

Quando pais e mestres buscarem as páginas já escritas, que escolham as que mais possam refletir ideias transcendentes e não as que se arrastam na miséria apenas do cotidiano.

Que se transportem as jornadas interessantes a terras longínquas, ou a outros planetas em metáforas da grande aventura que é o progresso do Espírito em direção à luz das estrelas!

Que se saiba traduzir o bem e a verdade sem o moralismo maçante, mas com a poesia que o Universo mesmo oferece aos olhos atentos e sensíveis do verdadeiro artesão das palavras!

 
*     *     *

Na era da informação fácil e abundante, pais e mestres precisam estar atentos, pois quase sempre a fartura, a quantidade, não tem correlação com conteúdo, com qualidade.

Orgulham-se de filhos hábeis com as novas tecnologias, e seus raciocínios rápidos e precoces, mas muitas vezes não percebem que estão cheios de informação apenas.

Informação desgovernada, mal orientada e mal filtrada, produz mais prejuízo do que ganho à alma da criança.

Atentos devemos estar ao que se vê, ao que se lê, ao que se cultua no meio de nossos filhos, para não deixá-los serem absorvidos pela vasta cultura inútil e exploratória que ainda vige em nosso planeta.

Modas criadas por empresas, por profissionais da propaganda, vendendo heróis e ídolos ocos, são ameaças à educação espiritual das crianças, quando essas gastam a maior parte de suas horas hipnotizadas com tais personagens.

Pais e mestres devem ter critérios, devem observar e selecionar o que chega às almas no período infantil.

Deixar que tenham acesso a tudo, sem controle algum, é assumir risco demasiado grande, e perder oportunidade de usar o que já se produz de bom no mundo, para ajudá-los a crescer.

Lembremos que ser pai, ser mãe, é muito mais, muito mais mesmo do que apenas cuidar.

 
*     *     *

Pensemos: o que temos ofertado a nossas crianças? O que há de melhor? No mundo e em nós?


Redação do Momento Espírita, com base no texto O que se oferta às crianças, da obra Educação Segundo o Espiritismo, de Dora Incontri, ed. Comenius.
Gif de borboleta
Um Feliz dia das crianças!!!


sexta-feira, 9 de outubro de 2015

"A grande tarefa do mundo espiritual, em seu mecanismo de relações com os homens encarnados, não é a de trazer conhecimentos sensacionais e extemporâneos, mas a de ensinar os homens a ler os sinais divinos que e vida terrestre contém em si mesma, iluminando-lhes a marcha para a espiritualidade superior." (Emmanuel. Livro: “Palavras de Emmanuel”. Ed. FEB)

 
004r5q92
O gato e a meditação
 

Um grande mestre religioso, responsável por um dos mais importantes mosteiros de sua região, tinha um gato que era sua verdadeira paixão na vida. Assim, durante as aulas de meditação, mantinha o gato ao seu lado para desfrutar o máximo possível de sua companhia.

Certa manhã, o mestre – que já estava bastante idoso – apareceu morto. O discípulo mais graduado ocupou seu lugar.

Os monges começaram a pensar no que fariam com o gato. Então, numa homenagem à lembrança de seu antigo instrutor, o novo mestre decidiu permitir que o gato continuasse frequentando as aulas.

Alguns discípulos dos mosteiros vizinhos, que viajavam muito pela região, descobriram que, num dos mais afamados templos do local, um gato participava das meditações. A história começou a correr.

Muitos anos se passaram. O gato morreu, mas os alunos do mosteiro estavam tão acostumados com aquela presença que arranjaram outro gato.

Enquanto isso, os outros templos começaram a introduzir gatos em suas meditações: acreditavam que o gato era o verdadeiro responsável pela fama e qualidade do ensino daquele mestre que já havia partido, e esqueciam-se de que o antigo mestre era um excelente instrutor.

Uma geração se passou. E começaram a surgir tratados técnicos sobre a importância do gato nas meditações propostas por aquela doutrina.

Um professor universitário desenvolveu a tese - aceita pela comunidade acadêmica – de que o felino tinha a capacidade de aumentar a concentração humana e eliminar as energias negativas.

E assim, durante um século, o gato foi considerado parte essencial no estudo daqueles princípios religiosos naquela região.

Até que apareceu um mestre que tinha alergia a pelos de animais domésticos e resolveu tirar o gato de suas práticas diárias com os alunos.

Houve uma grande reação negativa, mas o mestre insistiu na decisão. Como era um excelente instrutor, os alunos continuaram com o mesmo rendimento escolar, apesar da ausência do gato.

Pouco a pouco, os mosteiros – sempre em busca de ideias novas, e já cansados de alimentar tantos gatos – foram retirando os animais das aulas.

Em vinte anos, surgiram novas teses revolucionárias com títulos convincentes como: A importância da meditação sem o gato.

Mais um século se passou, e o gato saiu por completo do ritual de meditação naquela região. Mas, foram precisos duzentos anos para que tudo voltasse ao normal, desde que nunca alguém havia se perguntado, durante todo esse tempo, o porquê do gato estar ali.

Um escritor, que depois de séculos tomou conhecimento dessa história, deixou registrado em seu diário a seguinte observação:

E quantos de nós, em nossas vidas, ousam perguntar: por que tenho de agir desta forma?

Até que ponto, naquilo que fazemos, estamos usando coisas ou ações inúteis, que não temos a coragem de eliminar ou questionar, porque nos disseram que essas coisas ou ações eram importantes para que tudo funcionasse bem?

 
*      *      *

Há muito a refletir com esta narrativa.

Lembremos de nossas manias, rituais, de nossas crenças arraigadas que nunca foram por nós questionadas, e pensemos se não são como o gato da história.

O homem novo precisa rever tudo aquilo em que acredita, e permitir que a razão lhe ilumine os passos, deixando as sombras da ignorância para trás.




Redação do Momento Espírita, com base no cap. A importância do gato na meditação, do livro Histórias para pais, filhos e netos, de Paulo Coelho, ed. Globo.
Em 7.12.2013.

004pr45s
Ótimo dia!!!

quinta-feira, 8 de outubro de 2015

"Ninguém tem o destino do sofrimento. Ele é o resultado da ação negativa jamais a causa." (Joanna de Ângelis) ...."A questão mais aflitiva para o espírito no Além é a consciência do tempo perdido." (Chico Xavier) ..."Ele já muitas vezes vos disse que não coloca fardos pesados em ombros fracos. O fardo é proporcionado às forças, como a recompensa o será à resignação e à coragem." (Lacordaire) ..."Todo homem tem na terra uma missão, grande ou pequena; qualquer que ela seja, sempre lhe é dada para o bem; falseá-la em seu princípio é, pois, falir ao seu desempenho." (O Evangelho Segundo o Espiritismo) ..."Conheça a você mesmo. Existem pessoas que percorrem o mundo inteiro à procura de si próprias." (André Luiz)

 
Gif de borboleta

A neutralidade dos meios


Há alguns séculos, a Humanidade temia o progresso por pensar que com o avanço poderiam surgir situações incontroláveis.

Pensava-se, por exemplo, que os homens seriam subjugados pelas próprias invenções, e por esse motivo a ficção fez sucesso nas telas do cinema.

Robôs fora de controle, criaturas monstruosas criadas pelos homens e que contra eles se voltavam, entre outras ficções não menos assustadoras, fizeram com que muitas pessoas abominassem o avanço tecnológico.

Como o progresso é lei natural e todos estamos a ela submetidos, não podemos impedir sua marcha, sob pena de sermos triturados por suas rodas gigantescas que não podemos deter.

Hoje, como o progresso está presente em quase todas as áreas do conhecimento humano, podemos perceber claramente que as invenções e avanços tecnológicos não são problemas em si mesmo, por serem neutros.

O problema é ético, porque os seres que fazem uso da tecnologia não estão moralmente aptos a utilizá-los com bom senso e discernimento.

As pesquisas que permitiram a confecção da bomba atômica, certamente não visavam a destruição de vidas humanas. As pessoas que a utilizaram para tal fim é que o fizeram de forma equivocada.

Os vários meios de comunicação conquistados com o progresso são neutros, tanto servem para salvar vidas como para aniquilá-las, dependendo da moralidade de quem os utilize.

As possibilidades que a Internet propicia, nos dias atuais, são neutras. Todavia, o uso que se lhe dá é que causa danos.

Enquanto pessoas de bom senso a utilizam para encurtar as distâncias na troca de informações úteis visando o bem geral, outros fazem uso desse meio para difundir as misérias que guardam na própria alma.

Enquanto uns disponibilizam conhecimentos edificantes e mensagens de conforto e esperança, outros ensinam a fazer bombas, terrorismo, corrupção e outros tantos lixos morais nos quais se comprazem.

As possibilidades pessoais também são utilizadas de acordo com a moralidade de cada indivíduo. Enquanto homens nobres fazem uso da sua inteligência para edificar a vida, outros a utilizam para matar, corromper, aniquilar.

Como podemos perceber, não são os meios que causam prejuízos à sociedade, mas a maneira por que são empregados pelos homens.

Quando a Humanidade aliar a moral aos conhecimentos, esses efeitos negativos sumirão juntamente com as causas que os produziram.

Deus, que a tudo coordena com Suas leis perfeitas e imutáveis, fará com que nos ajustemos ao progresso, percebendo, ainda que devagar, que toda árvore que Ele não plantou será arrancada.

O progresso é árvore boa e frutificará. A maldade que se utiliza do progresso para disseminar-se, será arrancada, pois não foi plantada por Deus.

É assim que se dará. Mesmo que leve tempo tudo será conforme o planejamento maior da Divindade.
*     *     *

Tudo o que fazemos e pensamos está sendo contabilizado nas Leis Divinas.

Responderemos por todas as ações que praticamos, mais cedo ou mais tarde.

Assim entendemos porque existe a idiotia, por exemplo. O mau uso da inteligência, lesa regiões nobres do cérebro psicossomático, que em outra existência formará o corpo físico com essas sequelas.


Redação do Momento Espírita.

Gif de borboleta
Um feliz e abençoado dia!!!