quarta-feira, 10 de julho de 2019

Preciosidade do tempo

Se existisse um banco que nos creditasse em conta 86.400 moedas todas as manhãs mas, que não transferisse o saldo de um dia para o seguinte, que não nos permitisse conservar esse capital e, no final do dia, cancelasse a parte dessa quantia que não tivéssemos usado, o que é que faríamos? 

Possivelmente, a nossa atitude seria de sacar até o último centavo cada dia e aproveitar todo o dinheiro, adquirindo o que desejamos, investindo em jóias, livros, imóveis, viagens. Enfim, em tudo aquilo que se constitui os nossos sonhos. 

Pois bem. Tal banco existe e se chama tempo. 

Cada dia nos deposita 86.400 segundos e toda noite dá por perdidos todos aqueles que deixamos de aplicar com proveito. 

Jamais transfere os saldos, nem permite que se gaste, diariamente, além dos segundos que se dispõe. 

Quando não utilizamos o disponível no dia, quem perde somos somente nós mesmos. 

Não existe possibilidade da recuperação dos fundos perdidos e não há condição alguma de se passar um cheque pré-datado, nem para o dia seguinte. 

* * * 

A maioria das pessoas não percebem ainda os valores do tempo. 

Existem aqueles de nós que abusamos desse tesouro, julgando que a riqueza nos é devida por Deus, esquecendo-nos de bem aproveitá-la. 

Oportuna a indagação, portanto, acerca do que fazemos do nosso tempo. Quantos o aniquilamos de qualquer forma. A própria sabedoria popular já afirma: matar o tempo. 

Muitos de nós o matamos em futilidades, com fofocas, calúnias e maledicências, semeando infelicidade nas alheias vidas e para si mesmo. 

Alguns de nós que priorizamos os bens materiais, afervoramo-nos à ideia de que tempo é dinheiro. Contudo, se nos empenhamos em demasia nas horas do trabalho que nos concedam maiores lucros, igualmente desprezamos as horas em conversas que não edificam, programas que nada acrescentam ao sentimento nobre ou ao intelecto. 

Em quase todos os setores de evolução terrestre, vemos o abuso da oportunidade dos segundos, complicando os caminhos dos homens. 

A Lei Divina estabelece, em Sua sabedoria, que todo excesso merece escassez e todo abuso exigirá restrições, porque em questão de tempo também cada um recebe exatamente o que semeia. 

Este o motivo pelo qual alguns que aprendemos o valor do tempo e desejamos muito realizar, na atualidade, percebemos que não dispomos de todo o tempo que desejaríamos para tal, esforçando-nos para agir sem perder a chance dourada dos minutos que passam com rapidez. 

Um dia de doação ao outro, empenho no bem, cultivo da harmonia e iluminação é muito importante para os homens, na sagrada execução das Leis Divinas. 

* * * 

O apóstolo Paulo de Tarso, em sua Epístola aos Romanos, assinalou a importância do tempo, afirmando que aquele que faz caso do dia, para o Senhor o faz. 

Já reconhecia ele que o tempo é igualmente talento que o Pai nos concede, e como qualquer talento, não merece ser enterrado, no solo da inutilidade, mas utilizado com sabedoria para que suas bênçãos sejam multiplicadas.


Redação do Momento Espírita com base no cap.1 do livro Caminho, verdade e vida, pelo Espírito Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier, ed. Feb, e no cap. A verdadeira riqueza, do livro Um presente especial, de Roger Patrón Luján, ed. Aquariana.

Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif

Nenhum comentário: