domingo, 2 de junho de 2019

Mensagem pouco lembrada

Narra-se que um devotado trabalhador do Cristo adormeceu, certa noite, após as preces e rogativas habituais.

Desenovelando-se do corpo físico, o Espírito buscou paragens amenas da Espiritualidade, para a recomposição das energias espirituais, enquanto o vaso carnal repousava, igualmente se recompondo.

Viu-se o servidor, repentinamente, em paisagem que lhe parecia celestial. O céu de um azul profundo concedia um toque todo especial ao quadro de flores delicadas, aveludado tapete de relva e árvores amigas.

Debaixo de uma árvore frondosa, divisou ele um homem esbelto, de porte majestoso. Aproximou-se e sensibilizado reconheceu Jesus, o Mestre.

Jesus parecia mergulhar o olhar na imensidão. Havia serenidade em Sua face. Contudo, havia sinal de lágrimas nos olhos doces.

O servidor respeitoso ousou perguntar:

Mestre, por que choras?

E porque não houvesse imediata resposta, tornou a falar o trabalhador:

Choras, acaso, por causa dos perversos? Tuas lágrimas se destinarão talvez aos que astuciosos, promovem o mal, governando mentes em ignorância?

O silêncio do Mestre se estendeu um pouco mais. Foi, então, que o bom homem indagou:

Serão, porventura, Tuas lágrimas para aqueles que Te crucificaram e para os quais rogaste o perdão de nosso Pai?

A palavra clara e firme de Jesus se fez então ouvir:

Filho, as minhas lágrimas exprimem o lamento por todos aqueles que, conhecendo as minhas palavras e os meus ensinos, prosseguem cometendo desatinos, afligindo a Humanidade.

Choro por aqueles que mesmo tendo os centros da razão iluminados pela inteligência e pelo raciocínio lúcido, não adquiriram a consciência do dever que o conhecimento proporciona.

Lamento os que recebem o brilho da informação, mas não desfrutam da experiência da vida feliz. Os que afirmam conhecer meus ditos, mas carecem de sabedoria e prosseguem a se comprometer, errando com constância.

Lamento-os, meu filho, porque todos eles padecem de enfermidades da alma e muitas serão as dores que deverão colher, no transcurso das vidas, até despertarem verdadeiramente para a luz.

O servidor fiel despertou na carne, ergueu-se disposto e retornou aos labores de serviço ao próximo, guardando n'alma a certeza de que a lição viva da sabedoria reside em aplicar à própria vida o aprendizado das letras evangélicas, a fim de fruir a paz nos dias mais próximos.

*   *   *

O próprio Jesus advertiu que de nada adiantaria falar e não fazer.

Nas anotações do Evangelista Lucas lemos: E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?

O Evangelho é um código de bem viver e a aplicação de suas leis na vida diária é a fórmula para equacionar todos os nossos problemas.


Redação do Momento Espírita com base no cap. Ignorância e sabedoria, do livro Suave luz nas sombras, pelo Espírito João Cléofas, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 28.01.2010.

Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif
Gif

Nenhum comentário: