sexta-feira, 8 de julho de 2016

Nossa Contabilidade




Uma das coisas importantes desses tempos do mundo é a contabilidade de débitos e créditos.

Vale lembrar que essa contabilidade nasceu no século XV, em 1494. Foi criada por um monge franciscano chamado Luca Pacioli.

Seu objetivo era auxiliar aos mercadores, aos comerciantes, negociantes de Veneza que precisavam gerenciar suas economias crescentes.

Eles encontraram, no trabalho do monge franciscano Luca Pacioli, um elemento importantíssimo para melhor analisar perdas, ganhos, no bojo das suas realizações.

E a Humanidade tem experimentado muito sucesso ao fazer uso dessa contabilidade: débito - crédito.

Isso entrou de tal modo na vida das pessoas, que usamos essa maneira de pensar, essa metodologia de lidar com valores, no nosso cotidiano.

Falamos a respeito de débito e crédito, em termos morais: Você tem débito comigo. Eu tenho crédito com você. Você tem créditos para comigo. Eu tenho débitos para com você.

É importante verificarmos que todos nós, de uma maneira ou de outra, teremos o nosso tempo de prestar contas do que estamos fazendo da nossa existência.

Se não sabemos bem administrá-la, certamente contrairemos débitos.

Se conseguirmos bem administrá-la, teremos os créditos decorrentes de nosso juízo, de nossa boa ação, da grandeza que criamos com a nossa vida na Terra.

Por isso é que nos cabe refletir nessa dinâmica da vida, que nos remete sempre a fazer esse balanço, entre os créditos que a Divindade nos confiou e os débitos que  contraímos, face ao mau uso ou ao desuso desses créditos Divinos.

Assim, cada vez que usamos mal, por exemplo, o crédito da palavra, usamos mal o nosso falar, adquirimos débitos para o futuro.

Cada vez que utilizamos mal o crédito da visão, criamos problemas para o nosso amanhã.

O crédito dos nossos pés, da nossa inteligência, das oportunidades sociais, tudo isto vai fazendo parte dos elementos de que dispomos na Terra para viver da melhor maneira.

E também são créditos Divinos a família, os amigos, o trabalho, a saúde.

Muitas vezes, em nome da nossa loucura, da nossa inconsciência, acabamos por usar mal os créditos que a Divindade nos confiou.

Por isso se faz de importância assumirmos nossas falhas e nossos acertos. Aquilo que erramos, colocamos no prato simbólico de uma balança e aquilo que acertamos colocamos no outro prato da balança.

A partir daí, teremos o estabelecimento do peso entre débito e crédito, o que nos sobrará.

E nesse balanço, não há nenhum motivo para desesperação, não há nenhum motivo para que nos percamos desfigurados de remorsos.

O tempo de agora é o tempo da oportunidade de corrigirmos o que ficou mal pintado em nossa tela.

É o tempo de acertar, corrigindo o passo que não tenha sido bem dado em nossa vida e, graças a isso, trabalharmos no sentido de que a contabilidade Divina possa reconhecer nossos créditos e justificar os nossos débitos com as coisas boas que fazemos.

Pensemos nisso!



Redação do Momento Espírita, com base no programa televisivo Vida e valores - Débitos e créditos, gravado por Raul Teixeira, em agosto de 2009, no Teatro da Federação Espírita do Paraná.
Em 22.08.2011




 
    

 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.