sábado, 16 de julho de 2016

Não somos nossos problemas

Conta-se que Victor Hugo, o admirável escritor francês, quando no exílio, tinha por hábito, ao cair da tarde, chegar a uma parte em que havia uma colina próxima ao mar, e ali sentava-se, mergulhando em reflexões demoradas.

Enquanto o grande gênio da língua neolatina meditava, crianças brincavam à sua volta.

Depois de haver reflexionado suficientemente, o gigante da pena erguia-se, dobrava-se, tomava de uma pedra e a atirava ao mar.

Tornara-se-lhe tão habitual este movimento que já o fazia por automatismo.

Certo dia, porém, uma das crianças, vendo o grande escritor repetir o gesto de atirar ao mar uma pedra, perguntou, com o olhar traquinas e o sorriso infantil:

Senhor Hugo, por que o senhor, depois de meditar tanto, toma de uma pedra e a joga no mar?

E o admirável exilado respondeu, com um toque de melancolia:

É que tenho muitos problemas e resolvi, diariamente, por meditar em um problema. Após equacioná-lo, atirá-lo ao mar do esquecimento.
Não permitamos que os problemas tomem conta de nossa vida e exauram todas as nossas energias.

É necessária a compreensão de que estamos no problema, mas não somos o problema. Somos a solução para ele.

Quando analisarmos cada um deles, devemos pensar: Aqui está o meu problema. Fora de mim.

Não somos este momento de aflição. Apenas transitamos por ele temporariamente.

Encaremos cada problema como um desafio, algo que veio para fazer-nos crescer, amadurecer. E não para nos destruir.

Isso permitirá que a vida o solucione com tranquilidade, sem desgastar-nos em demasia.

Contemos com ajuda externa. Não acreditemos que tenhamos que resolver tudo sempre sozinhos.

Há tanta gente disposta a nos ajudar, no mundo material, e no mundo invisível, onde encontramos os amores do ontem e os protetores de nossa reencarnação.

Então, após resolver cada problema, atiremo-lo ao mar do esquecimento, não permitindo que ele permaneça em nossa casa mental.

Renovemo-nos diariamente, não permitindo que resquícios de crises e dores amarguem a alma, e se transformem em prisão indesejada.

Não nos assustemos com a palavra problema. Se ela nos parecer assustadora, troquemo-la por outra, como desafio ou obstáculo.

Obstáculos existem para serem observados, compreendidos e transpostos.

Saímos mais fortes de cada um deles, se desejarmos, em vez de mais fracos e abalados.

Libertemo-nos desse negativismo que, por vezes, estraga nosso dia, quando a lente do pessimismo nubla nossa vista imperceptivelmente.

Libertemo-nos do cinza, do escuro dos pensamentos que tanto nos aborrecem a alma.

Nascemos para ser livres, então, libertemo-nos.

Não somos nossos problemas. Apenas transitamos por eles temporariamente.

Pensemos nisso.


Redação do Momento Espírita com base na faixa 1, do cd Visualizações terapêuticas, de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 13.09.2011.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.