terça-feira, 31 de maio de 2016

Ilusões do Mundo Material

Adélia sempre tivera uma vida social muito intensa. Desde criança, a mãe a estimulara a participar de concursos de beleza infantil.

Mais tarde, foram os concursos juvenis e a busca pela atuação como modelo.

Ela concorreu ao título de Miss em sua cidade, pois a mãe sonhava com o destaque social para sua única filha.

Algumas vezes, a moça tentara se rebelar àquilo tudo, que não lhe agradava. Sempre em vão.

De fato, era muito bonita. Seus cabelos cor de ouro, encaracolados, davam-lhe um encanto especial. Os olhos cor de mel e o sorriso encantador pareciam portadores de magnetismo, quando se dirigiam aos demais.

Entretanto, os compromissos eram tantos que Adélia mal tinha tempo para si mesma. Queria ser como suas amigas, ter uma vida comum, porém, temia magoar a mãe.

Os meses e os anos foram passando e a deixaram desgastada, inconformada, permitindo-se enredar em grave quadro depressivo.

A mãe, desesperada, começou a busca pela saúde da filha.

Somente então, Adélia ousou desabar em lágrimas e confessar ao terapeuta que não suportava aquele tipo de vida .

Disse que desejava, intensamente, esvaziar-se de tudo.

Não era feliz e nunca fora. Não pretendia magoar sua mãe, não sabia como resolver o problema. Desejava ser livre para decidir o que verdadeiramente queria para sua vida.

    

Como é importante que, na qualidade de pais e mães, nos conscientizemos de que nossos filhos são, como nós, indivíduos.

Trazem consigo seus sonhos, provas, expiações e mesmo, missões a cumprir.

Precisamos lhes dar liberdade de escolha, preparando-os para viver no mundo.

Vivemos cercados de ilusões materiais, e ainda não aprendemos a lidar com essa realidade.

Quantas vezes sentimos uma vontade imensa de mudar de vida, buscando novas e mais atraentes atividades?

Quantas oportunidades de crescimento interior perdemos, por medo ou por não termos tempo?

Quantos de nós, chamados para uma atividade de voluntariado, dispensamos o convite?

Tudo em função de ilusões materiais, escolhidas ou impostas.

A inconformação que nos bate às portas do coração, gerando tristeza e caminhando para a depressão, muitas vezes tem sua raiz em situações semelhantes à que descrevemos.

Deixamos de atender ao nosso eu interior, vivemos conforme a moda que o mundo dita, sem coragem para buscar aquilo que nos seja de real valor.

Existe sempre a necessidade de faxinarmos nosso íntimo e, se for o caso, mudarmos nossa forma de vida.

É comum nos esquecermos de que somos um Espírito vivendo no corpo, e que, como Espíritos, precisamos de manutenção, de alimento condizente.

Alimentamos o corpo. E o Espírito?

Orações, boas leituras, boa música, meditação, conversas construtivas, programas culturais enobrecedores são alimentos especiais para a alma.

Deixemos sempre um espaço em nossa agenda para essas pequenas grandes coisas que fazem a diferença em nossa vida. 


Redação do Momento Espírita.
Em 19.9.2015. 
1013.gif
1003.gif
1027.gif
1020.gif
1045.gif
112t.gif
112p.gif
Um feliz e abençoado dia!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.