quarta-feira, 4 de novembro de 2015

"O maledicente desejará que você observe, tanto quanto ele, o lado desagradável da vida alheia. A criatura vacilante e frágil esperará que suas forças sejam quebradiças. O discutidor aguardará seu comparecimento às disputas, a propósito de tudo e de todos. O ingrato não se alegrará em vê-lo reconhecido aos outros. O personalista não se regozijará identificando-lhe o respeito aos adversários. O revoltado tentará a máscara da rebeldia ao seu rosto. O incompreensível procurará mergulhar sua mente no fundo das perturbações. O neurastênico pedir-lhe-á não sorrir. O insensato reclamará sua adesão à loucura. O homem imperfeitamente espiritualizado sempre busca igualar os semelhantes a si mesmo. Lembre-se, contudo, de que você é você, com tarefa original e responsabilidades diferentes e, se pretende a felicidade real, não deve esquecer a consulta aos padrões do bem, com o Cristo, em todas as horas de sua vida." (André Luiz)

Hello Kitty
Saber cultivar


Você costuma cuidar do seu jardim, cultivar flores e plantas?

Nem todas as pessoas gostam de cultivar, e raras são as que se dedicam a algum tipo de cultura com conhecimento de causa.

Mas esse não é o caso de um fazendeiro que venceu o prêmio milho-crescido, pois ele entendia muito bem da arte de cultivar, no seu mais amplo sentido.

Todo ano ele entrava com seu milho na feira e ganhava uma fita azul.

Uma vez um repórter de jornal o entrevistou e aprendeu algo interessante sobre como ele cultivava seu milho.

Descobriu que o fazendeiro compartilhava a semente do seu milho com os vizinhos.

Intrigado, o repórter lhe perguntou:

"Como pode você se dispor a compartilhar sua melhor semente de milho com seus vizinhos, uma vez que eles estão competindo com você todo ano"?

"Por que?" disse o fazendeiro, "então você não sabe?"

- É que o pólen do milho maduro é levado através do vento de campo para campo. Se meus vizinhos cultivam milho inferior, a polinização continuada degradará a qualidade do meu milho.

- Assim, se eu desejo cultivar milho de boa qualidade, tenho que ajudar meus vizinhos a cultivar milho bom".

Aquele fazendeiro estava atento às conectividades e interdependências da vida.

O milho dele não seria de boa qualidade, a menos que o milho do vizinho também fosse.

Isso também acontece em outras situações da vida.

Aquele que escolhe estar em paz deve fazer com que seus vizinhos igualmente estejam em paz.

Aquele que quer viver bem deve ajudar os outros para que também vivam bem.

Aquele que quer ser feliz tem que ajudar os outros a achar a felicidade, pois o bem-estar de cada um está ligado ao bem-estar de todos.

Quando descobrirmos a arte de cultivar, saberemos que quanto mais as coisas boas se espalharem mais elas nos beneficiarão.

Se o nosso colega de trabalho estiver se sentindo bem, nós sentiremos as suas vibrações de paz, e a recíproca é verdadeira.

Se nosso amigo estiver satisfeito e feliz, sua felicidade acabará nos alcançando e compartilharemos da sua satisfação.

Se a sociedade em que vivemos gozar de perfeita harmonia, com certeza seremos contagiados por essa harmonia que a todos envolve.

Assim, se ainda não temos o hábito do cultivo compartilhado, façamos essa experiência e veremos que os resultados serão sempre favoráveis.

Pense nisso!

Se você gosta de semear flores, divida as boas sementes com os seus vizinhos, pois assim seu jardim ficará sempre exuberante.

Se você deseja colher frutos apetitosos, distribua sementes de boa qualidade com o maior número de pessoas possível, assim terá sempre a garantia de uma ótima safra.

Alem, disso, caso a sua colheita venha a sofrer algum tipo de prejuízo, você terá a garantia de que algum dos seus vizinhos o socorrerá na crise.



(Baseado em história de James Bender do livro "How to Talk Well", tradução de Sérgio Barros.)


Feliz e abençoado dia!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.