sábado, 3 de outubro de 2015

"Nos dias difíceis, reflete nos outros dias difíceis que já se foram. Depois de atravessados transes e lutas que supunhas insuperáveis, não soubeste explicar a ti mesmo de que modo os venceste e de que fontes hauriste as forças necessárias para te sustentares e refazeres, durante e depois das refregas sofridas. Viste a doença no ente amado assumir gravidade estranha e sem que lograsses penetrar o fenômeno em todos os detalhes, surgiu a medicação ou a providência ideais que a arrebataram da morte. Experimentaste a visitação do desânimo, à frente dos obstáculos que te gravaram a vida, mas sem que te desses conta do amparo recebido, largaste o desalento das trevas e regressaste à luz da esperança. Crises do sentimento que se te afiguravam invencíveis, pelo teor de angústia com que te alcançaram o imo da alma, desapareceram como por encanto sem que conseguisses definir a intervenção libertadora que te restituiu à tranquilidade. Sofreste a ausência de seres imensamente queridos, chamados pela desencarnação, por tarefas inadiáveis, a outras faixas de experiência. No entanto, sem que despendesses qualquer esforço, outras almas abençoadas apareceram, passando a nutrir-te o coração com edificante apoio afetivo. Tudo isso, entretanto, sucedeu porque persististe na fé, aguardando e cofiando, trabalhando e servindo, sem te entregares à deserção ou à derrota, ofertando ensejo à bondade de Deus para agir em teu benefício. Nas dificuldades em andamento, considera as dificuldades que já venceste e compreenderás que Deus, cujo infinito amor te sustentou ontem, sustentará também hoje. Para isso, porém, é imperioso permanecermos fiéis ao cumprimento de nossas obrigações, de vez que a paciência, no centro delas, é o dom de esperar por Deus, cooperando com Deus sem atrapalhar." (Emmanuel) ...


Gif de fada
Convite à reflexão


A transitoriedade da vida terrena é um convite à reflexão.

Os homens em geral se empenham para atingir variados objetivos.

Elegem metas por vezes ambiciosas e dedicam suas vidas a conquistá-las.

Também fazem de tudo para ver seus filhos vitoriosos, conforme os padrões do mundo.

Pagam-lhes bons colégios, cuidam de sua instrução formal com desvelo.

Esses objetivos costumam ser louváveis.

Como vivem em um mundo material, os homens precisam se ocupar das coisas tangíveis.

Não dá para se tornar um peso nos ombros do semelhante, enquanto se filosofa sobre tudo e sobre nada.

Apenas não é prudente esquecer que as questões materiais fatalmente passarão.

No esforço de conquistar ou manter coisas, não compensa comprometer a própria dignidade.

Às vezes parece que certa conquista é questão de vida ou morte.

Se dado cargo não for conquistado, a vida parecerá sem sentido.

Entretanto, a permanência nesse cargo será por pouco tempo, considerando a eternidade da vida que jamais se esgota.

Do mesmo modo, a paixão pode colorir de modo excepcional o afeto que alguém inspira.

Ainda que ele seja comprometido, parece que tudo se justifica, desde que seja possível viver aquele sonho dourado.

Nessas situações, a criatura pode se permitir comportamentos indignos.

Ocorre que a felicidade jamais é fruto de indignidade.

A paixão violenta cedo ou tarde amainará.

O cargo importante mudará de mãos.

O dinheiro será consumido, perdido, roubado ou apenas deixado para trás no momento da morte.

O automóvel novo se desgastará e sairá de linha.

Em suma, tudo passa e lentamente perde a importância.

Mas é preciso conviver para sempre com o que se é.

A realidade íntima não se altera com o simples passar do tempo.

Ela não se desgasta, não se torna obsoleta e nem se recicla, sem vontade e esforço.

Muitos Espíritos, pelo fenômeno mediúnico, relatam sua decepção após a morte física.

Tiveram de contemplar suas posses e conquistas materiais passarem a outras mãos.

Ao mesmo tempo, constataram a miséria a que se reduziram, à custa de atos indignos.

Renasceram para evoluir e transcender e se tornaram grandes devedores perante a vida.

Pense nisso, para não inverter suas prioridades.

Viva no mundo, mas não se torne escravo dele.

Antes de mais nada, cuide de adquirir grandeza íntima.

Seja bondoso, leal e trabalhador, mesmo nos momentos difíceis.

De nada lhe adiantará conquistar coisas e perder-se a si próprio.


Redação do Momento Espírita.
Gif de fada
Um ótimo fim de semana!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.