segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

"...Caridade estrela de brilho infindo. O que resta é vaidade, que o tempo vai consumindo. Marinheiro vigia teu coração; Vento forte traiçoeiro, faz virar a embarcação..." (Eurícledes Formiga)

 
Foto de Ponto de Reflexão Espírita.
Aprendendo a viver
 

A experiência terrena consiste em um projeto um tanto arriscado.

Antes de renascer, o Espírito traça um programa que pretende cumprir.

Alguns pontos capitais são definidos, como o corpo, a família e o ambiente em que renascerá.

Ele também estabelece estratégias para vencer alguns problemas evolutivos.

São antigos desafetos com os quais pretende conviver.

Comparsas de persistentes erros que lhe devem surgir no caminho, em geral na forma de tentação.

Vítimas de leviandades cometidas e que seguem amarguradas o devem rodear, sequiosas de auxílio.

O Espírito estuda tudo com grande atenção, ora e se prepara mental e emocionalmente.

Como se percebe, renascer é um empreendimento de vulto.

A existência terrena é imprescindível à evolução, em especial em suas fases mais incipientes.

No corpo de carne, a força de vontade é testada e o ser imortal gradualmente abandona ilusões e paixões.

Demora um pouco, mas ele começa a perceber a transitoriedade de muito do que é valorizado na Terra.

Poder, aparências e conúbios sexuais apartados de um forte vínculo afetivo são apenas algumas dessas quimeras.

Embora firmemente decidido a transcender, não raro o Espírito sucumbe às tentações mundanas.

Ele programa trabalhar no bem, ser puro, honesto e generoso.

Decide transformar antigos parceiros de crimes em nobres companheiros de ideal superior.

Quer amparar aqueles a quem no pretérito lançou no despenhadeiro do vício.

Entretanto, cede à tentação do passado e revive indignidades.

A partir de determinado momento, nem mais é possível alegar ignorância.

Afinal, a mensagem cristã, a convidar claramente para a renovação, não é nova no mundo.

Essas experiências frustradas podem se repetir inúmeras vezes.

Há um inevitável amargor na hora do ajuste de contas com a própria consciência.

Confrontar o que se programou com o que se fez pode ser decepcionante.

Entretanto, as oportunidades se renovam.

Sempre chega o momento em que o Espírito cansa de falhar consigo mesmo.

Tantas são as decepções, que ele realmente se desgosta das ilusões mundanas.

Cheio de firmeza, resiste a todas as tentações e persevera em seu propósito de renovação.

Não se preocupa em ser rico, importante ou em fruir exóticas sensações.

Tem convicção de que tudo isso nada lhe acrescenta, em termos de paz e plenitude.

Ao contrário, identifica felicidade com deveres cumpridos e com dignidade.

 
*     *     *

Ciente disso, preste atenção no modo como você vive.

Seus pensamentos, atos e sentimentos são um prenúncio de paz?

Ou eles anunciam grandes decepções, quando você retornar para o verdadeiro lar?


Redação do Momento Espírita.
Em 23.06.2009.

 
"O bem que praticares em algum lugar é teu advogado em toda parte."
 
Foto de Ponto de Reflexão Espírita.
 
Foto de Ponto de Reflexão Espírita.
 
Foto de Brilhe a vossa Luz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.