terça-feira, 27 de janeiro de 2015

"Não basta que sua boca esteja perfumada. É imprescidível que permaneça incapaz de ferir. É importante que suas mãos se mostrem limpas. É essencial, no entanto, verificar o que fazem. Bons ouvidos são, certamente, um tesouro. A Justiça Divina, porém, desejará saber como você ouve. Excelente visão é qualidade louvável. Todavia, é interessante notar como você está vendo a vida. Possuir saúde física é reter valioso dom. Mas é necessário considerar o que faz do corpo sadio. Raciocínio claro é virtude. Entretanto é imperioso observar em que zona mental está você raciocinando. Bela imaginação é trazer consigo maravilhoso castelo. Convém reparar, porém, com que imagens você povoa o seu palácio interior. Grande emotividade é característico de riqueza íntima. Contudo, é preciso saber como você gasta as emoções. Possibilidades de produzir intensamente são recursos preciosos. No entanto, é imprescidível conhecer a substância daquilo que você produz. Capacidade de prosseguir, vida afora, lepidamente, é uma bênção. Não se esqueça, todavia, da direção que seus pés vão tomando através dos caminhos." (André Luiz)

 

Mensagem pouco lembrada


Narra-se que um devotado trabalhador do Cristo adormeceu, certa noite, após as preces e rogativas habituais.

Desenovelando-se do corpo físico, o Espírito buscou paragens amenas da Espiritualidade, para a recomposição das energias espirituais, enquanto o vaso carnal repousava, igualmente se recompondo.

Viu-se o servidor, repentinamente, em paisagem que lhe parecia celestial. O céu de um azul profundo concedia um toque todo especial ao quadro de flores delicadas, aveludado tapete de relva e árvores amigas.

Debaixo de uma árvore frondosa, divisou ele um homem esbelto, de porte majestoso. Aproximou-se e sensibilizado reconheceu Jesus, o Mestre.

Jesus parecia mergulhar o olhar na imensidão. Havia serenidade em Sua face. Contudo, havia sinal de lágrimas nos olhos doces.

O servidor respeitoso ousou perguntar:

Mestre, por que choras?

E porque não houvesse imediata resposta, tornou a falar o trabalhador:

Choras, acaso, por causa dos perversos? Tuas lágrimas se destinarão talvez aos que astuciosos, promovem o mal, governando mentes em ignorância?

O silêncio do Mestre se estendeu um pouco mais. Foi, então, que o bom homem indagou:

Serão, porventura, Tuas lágrimas para aqueles que Te crucificaram e para os quais rogaste o perdão de nosso Pai?

A palavra clara e firme de Jesus se fez então ouvir:

Filho, as minhas lágrimas exprimem o lamento por todos aqueles que, conhecendo as minhas palavras e os meus ensinos, prosseguem cometendo desatinos, afligindo a Humanidade.

Choro por aqueles que mesmo tendo os centros da razão iluminados pela inteligência e pelo raciocínio lúcido, não adquiriram a consciência do dever que o conhecimento proporciona.

Lamento os que recebem o brilho da informação, mas não desfrutam da experiência da vida feliz. Os que afirmam conhecer meus ditos, mas carecem de sabedoria e prosseguem a se comprometer, errando com constância.

Lamento-os, meu filho, porque todos eles padecem de enfermidades da alma e muitas serão as dores que deverão colher, no transcurso das vidas, até despertarem verdadeiramente para a luz.

O servidor fiel despertou na carne, ergueu-se disposto e retornou aos labores de serviço ao próximo, guardando n'alma a certeza de que a lição viva da sabedoria reside em aplicar à própria vida o aprendizado das letras evangélicas, a fim de fruir a paz nos dias mais próximos.

 
*     *     *

O próprio Jesus advertiu que de nada adiantaria falar e não fazer.

Nas anotações do Evangelista Lucas lemos: E por que me chamais Senhor, Senhor, e não fazeis o que eu vos digo?

O Evangelho é um código de bem viver e a aplicação de suas leis na vida diária é a fórmula para equacionar todos os nossos problemas.



Redação do Momento Espírita com base no cap. Ignorância e sabedoria, do livro Suave luz nas sombras, pelo Espírito João Cléofas, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal.
Em 28.01.2010.
 
Ótima tarde!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.