terça-feira, 20 de janeiro de 2015

"Guardando o mistério da fé numa consciência pura." - Paulo. (I TIMÓTEO, 3:9.) ..."Curiosidade ou sofrimento oferecem portas à fé, mas não representam o vaso divino destinado à sua manutenção. Em todos os lugares, observamos pessoas que, em seguida a grandes calamidades da sorte, correm pressurosas aos templos ou aos oráculos novos, manifestando esperança no remédio das palavras. O fenômeno, entretanto, muitas vezes, é apenas verbal. O que lhes vibra no coração é o capricho insatisfeito ou ferido pelos azorragues de experiências cruéis... Claro que semelhante recurso pode constituir um caminho para a edificação da confiança, sem ser, contudo, a providência ideal. Paulo de Tarso, em suas recomendações a Timóteo esclarece o problema com traço firme. É imprescindível guardar a fé e a crença em sentimentos puros. Sem isso, o homem oscilará, na intranqüilidade, pela insegurança do mundo Intimo.A consciência obscura ou tisnada inclina-se, invariavelmente, para as retificações dolorosas, em cujo serviço podem nascer novos débitos, quando a criatura se caracteriza pela vontade frágil e enfermiça. Os aprendizes do Evangelho devem recordar o conselho paulino que se reveste de profunda importância para todas as escolas do Cristianismo. O divino mistério da fé viva é problema de consciência cristalina. Trabalhemos, portanto, por apresentarmos ao Pai a retidão e a pureza dos pensamentos." (Emmanuel)


Exame consciência


Quando chega o final do dia, depois das lutas, dos trabalhos exaustivos, você procura o seu lar.

Não importa como ele seja, uma casa pequena, um apartamento modesto, uma enorme mansão. É seu lar. O lugar onde você se sente verdadeiramente à vontade, em casa.

Você convive com os seus familiares, escuta as novidades da esposa e dos filhos. Brinca com os pequenos, dá uma olhada nas tarefas escolares dos maiores, dá um beijo de boa noite no caçula.

Você assiste ao jornal da noite, dialoga com a esposa e estabelece planos para as atividades do dia seguinte.

Finalmente, você se prepara para dormir. Banho tomado, relaxado, você busca o seu leito, ajeita as cobertas, o travesseiro e se deita.

Espere um pouco. Não está faltando alguma coisa? Você teve um dia de muitas horas cheias de trabalho, entrevistas, decisões.

Você alimentou o seu corpo, abraçou os seus amores, compartilhou decisões importantes com sua esposa. O dia está por findar.

Que tal fazer um exame de consciência para avaliar como foi o seu dia?

Faça para você mesmo as seguintes perguntas: será que cumpri, neste dia, com todos os meus deveres?

Pense: deveres profissionais, sociais, familiares.

Durante o dia não terei dado motivo para alguém se queixar de mim? Fui bom colega de trabalho, profissional correto, cidadão honrado, pai compreensivo, esposo amável?

Terei feito alguma coisa que se fosse feita por outra pessoa eu censuraria?

Pratiquei alguma ação, que tenho vergonha de confessar a quem quer que seja?

Finalmente, se Deus me chamasse agora, estaria preparado para adentrar o mundo espiritual?

As perguntas acima fazem parte da resposta de uma questão de o livro dos espíritos, ditada pelo espírito santo agostinho.

Diz ele que era seu hábito fazer um exame de consciência, ao fim de cada dia, passando em revista o que havia feito.

As respostas serão motivo de repouso para a consciência de quem as formula ou indicarão um mal que deve ser curado.

Realizar tal tarefa todas as noites é como fazer um balanço da sua jornada moral, exatamente como o negociante, a cada dia, faz o balanço das suas perdas e lucros e traça diretrizes de ação para que o próximo balanço se apresente melhor.

Aquele que puder dizer que a sua jornada foi boa, pode dormir em paz e esperar sem temor o despertar na outra vida, a qualquer momento.

 
*      *      *

Muitas faltas que cometemos nos passam despercebidas. Por isso, o conselho de santo agostinho se reveste de muita importância.

Interrogando com mais frequência a nossa consciência, poderemos verificar quantas vezes falimos sem nos dar conta.

Conforme as respostas, poderemos avaliar a soma do bem e do mal que existe em nós e, a cada dia, nos dispormos a melhorar naquele ponto do nosso caráter que descobrimos mais frágil.

Se todos os dias trabalhamos para ajuntar o que nos dê segurança na velhice, não será igualmente vantajoso que trabalhemos para nos melhorar, com o objetivo de conquistar a felicidade eterna?

 

Fonte: O Livro dos Espíritos questão 919a
Momento de Reflexão
 
Um ótimo dia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.