segunda-feira, 26 de agosto de 2013

"Enquanto o homem não se convencer de que lhe é necessário conquistar as paisagens íntimas, suas realizações externas deixá-lo-ão em desencanto, sob frustrações que se sucederão, tantas vezes quantas sejam as glórias alcançadas no mundo de fora. À semelhança de uma semente, na qual dormem incontáveis recursos, que surgem a partir da germinação, cabe ao ser humano desatar os valores que lhe dormem inatos, facultando-se as condições de desenvolvimento, graças às quais logrará sua plenitude. Muitas vezes, as dificuldades que o desafiam são fatores propiciatórios para o desabrochar dos elementos adormecidos, e para que sua destinação gloriosa seja alcançada. O homem de bem, que reúne os valores expressivos da honra e da ação edificante, faz-se caracterizar pelo esforço, pelo empenho que desenvolve, realizando o programa essencial da vida que é sua iluminação íntima. Somente essa identificação com o si profundo facultar-lhe-á a tranqüilidade, meta próxima a ser conseguida. Partindo dela, novas etapas surgirão, convidativas, ensejando o crescimento moral e intelectual proporcionador da felicidade real. Todas as conquistas externas - moedas, projeção social, objetos raros, moradia, eletrodomésticos, aparelhos eletrônicos - não obstante úteis para a comodidade, a automação e sintonia com o mundo, bem como com a sociedade, não podem acompanhar o ser, quando lhe ocorre a fatalidade biológica da morte. Cada qual desencarna com os recursos morais e intelectivos que amealhou, liberando-se ou não dos grilhões emocionais que o prendem às quinquilharias a que atribui valor. Na luta pela aquisição das coisas, as batalhas se tornam renhidas, graças à competição, às angustiantes expectativas das disputas, nas quais o crime assume papel preponderante, com resultados quase sempre funestos. Na grande transição, tudo aquilo que constituiu motivo de luta insana perde o significado, passando a afligir mais do que antes. Não te descures da auto-iluminação. Se buscas a consolidação da estrutura sócio-econômica pessoal e familiar, vai mais longe, e intenta a conquista dos tesouros íntimos. Exercita as virtudes que possuis em germe, dando-lhes oportunidade de se agigantarem, arrastando outros corações. Recorda-te, a cada instante, da brevidade do corpo físico e reivindica o treino para a morte, mantendo-te em serenidade, reflexão e ação iluminativa. Vida interior é conquista possível, e está ao teu alcance. Logra-a, quanto antes, e sentirás a imensa alegria da plenificação." (Joanna de Ângelis)




Boa Semana
Reclamar e exemplificar



Na vida cotidiana, são constantes as reclamações a respeito do proceder alheio.

É comum se achar que o outro faz pior ou menos do que deveria.

Empregados criticam os patrões.

Empregadores acham que seus contratados não trabalham como deveriam.

Esposas consideram que seus maridos não as auxiliam o suficiente nas tarefas do lar.

Esposos se sentem incompreendidos quanto ao cansaço que decorre de seu trabalho.

De um modo ou de outro, sempre se espera bastante do próximo.

Ocorre que ninguém consegue modificar o semelhante à custa de meras exigências ou reclamações, por fundadas que pareçam.

Já grande é o poder transformador do exemplo.

Mais efetivo do que bradar contra os erros do mundo é viver com acerto.

Se você ainda não pode ser considerado um padrão de conduta, lembre-se de que dispõe de pleno poder modificativo sobre si próprio.

A qualquer momento, pode decidir ser compreensivo, trabalhador, generoso e puro.

Por certo, o mundo desafiará tais decisões, tão logo sejam tomadas.

Mas tudo tem um princípio e demora um tempo para se consolidar.

Os maus hábitos de hoje foram construídos em algum momento da jornada milenar.

Em algum instante, a criatura se permitiu o princípio de qualquer leviandade que hoje a infelicita.

Vícios e virtudes são a tragédia ou o tesouro que se constrói com o tempo.

Os vícios ensejam dores e candidatam seu possuidor a sacrificadas vivências de depuração.

Já as virtudes trazem paz e plenitude.                  

Para ser feliz, incumbe a cada qual desenvolver em si as virtudes mais sublimes, passo a passo.

Cesse, pois, reclamações e pare de se angustiar com o proceder alheio.

Perante o egoísmo que impera no mundo, seja quem auxilia e ampara.

Em face de perversões, mantenha um padrão puro de conduta.

Mesmo entre maledicentes, zele para que sua boca não seja causa de escândalo.

Em um ambiente corrupto, seja rigorosamente honesto.

É maravilhoso que você esteja em condições de perceber e viver o bem, enquanto muitos ainda não o conseguem.

Não menospreze essa dádiva, apenas com base no proceder equivocado dos outros.

Na impossibilidade de modificar o semelhante, cresça em compreensão.

E jamais olvide o poder dos exemplos.

Sua conduta ilibada e desprendida, cedo ou tarde, causará impacto nos que o rodeiam.

Revele a luz que existe em seu ser!

O primeiro a beneficiar-se da luminosidade será você, que gozará da bênção de uma consciência pacificada.

Pense nisso.




Redação do Momento Espírita.
Em 16.09.2009




Segunda-feira 

 
Boa Semana



Boa Semana

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.