segunda-feira, 25 de março de 2013

"Se te fazes modesto sem a preocupação de exibir humildade... Se executas as próprias obrigações sem invadir a seara alheia... Se auxilias sem pedir retribuição... Se retificas teu erro sem culpar os outros de participação na falta que te é própria... Se colaboras no levantamento do bem sem exigir o concurso alheio... Se te desincumbes das responsabilidades pessoais sem reprovar a conduta do próximo... Se sofres com paciência, sem reclamar que os semelhantes te partilhem os obstáculos... Se toleras serenamente aqueles que te combatem, sem desconhecer-lhes as qualidades nobres... Se carregas a cruz do aprimoramento próprio sem querer amarrá-la aos ombros dos companheiros... Se cumpres com o teu dever e não aspiras a outro prêmio que não seja a consciência tranqüila... Quem te poderá fazer mal, se procuras somente o bem? Pensa nisso, atendendo a isso, e verificarás que a segurança íntima reside em ti mesmo, qual acontece à paz da alma, que vem a ser patrimônio de cada um." (Emmanuel)


Festa íntima
 
 

Quando podes reagir, reivindicando vantagens que te pertencem, usurpadas por outrem e nada reclamas, mantendo tolerância e renúncia nas próprias atitudes...

Quando ouves referências que te ferem a vida particular e guardas silêncio...

Quando sabes que alguém te prejudica conscientemente e procuras encontrar um caminho de paz, para te afastares do problema, discretamente, sem aborrecer a quem te aborrece...

Quando sofres acusações indébitas sem te queixares...

Quando atravessas difíceis provas domésticas e sociais, sustentando os que te cercam, sem entender as complicações de que te vês objeto...

Quando carregas com paciência os fardos de trabalho e responsabilidade abandonados em teus ombros por outros irmãos...

Quando suportas tentações, que se te fazem endereçadas por outras pessoas, recusando-lhes os alvitres sem ofendê-las...

Quando choras, diante de impedimentos amontoados por irmãos infelizes em torno de ti, para que te afastes do serviço e continuas trabalhando sem queixas...

Então haverão chegado em teu favor os instantes de festa íntima, de vez que, em todas as ocasiões, nas quais superamos as próprias inferioridades, alcançamos um degrau acima, na conquista de nossa própria sublimação.




Emmanuel – Chico Xavier – Livro “Hoje”
 
 
 
 
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.