sábado, 16 de março de 2013

"Lembra-te que Deus atende aos homens por intermédio das próprias criaturas e faze da gentileza uma prece constante, através da qual a Celeste Bondade se manifeste. Muitos recorrem à Providência Divina, entre a revolta e o pessimismo, olvidando a necessidade de compreensão para que o bem se exprima em dons de reconforto, ao redor dos próprios passos, esparzindo a esperança, a fim de que o coração se mantenha preparado, à frente das bênçãos que se propõe a recolher. Ninguém na Terra é tão bom que possa proclamar-se plenamente liberto do mal e ninguém é tão mau que não possa fazer algum bem nas dificuldades do caminho... Nos maiores delinqüentes há sempre um filho de Deus, transviado ou adormecido, aguardando o toque do amor de alguém, para tornar à trilha certa. Sê compassivo e atrairás a bondade! Sê amigo do próximo e a amizade do próximo virá ao teu encontro. O carinho fraterno é uma fonte de bênçãos a deslizar no chão duro da rotina ou da indiferença, dessedentando as almas sequiosas que passam. Realmente, é sempre uma afirmação de fé a nossa rogativa verbal ao Todo Misericordioso e a prece sentida é energizante em nosso próprio espírito, erguendo-nos para os cimos da existência. O Senhor, no entanto, espera igualmente que nos façamos bons de uns para com os outros, assim como exigimos seja Ele para nós o benfeitor infatigável e incessante. Não te esqueças de que o Mestre nos espera ao lado das próprias criaturas que caminham conosco, a fim de auxiliar-nos. Sejamos, devotos da cortesia e da afabilidade, em todos os instantes, para que não aconteça venhamos a dizer, depois da oportunidade perdida: – “Efetivamente, o Senhor estava junto de mim, mas, não pude senti-lo”. Porque, em verdade, pelos fios invisíveis do amor, o Divino Mestre permanece constantemente entrosado à nossa própria vida." (Emmanuel)

Gesto anônimo


 
Quase sempre quando realizamos algum ato de bondade, esperamos por gratidão. Desejamos que alguém reconheça o nosso ato, que ao menos alguém tenha observado e percebido nosso gesto nobre.
 
Ou, então, em nossa ânsia de ajudar alguém, deixamos de perceber como a nossa dádiva pode ser embaraçosa para uma pessoa sensível. Ou, ainda, como pode parecer pesado para quem recebe, o dever da gratidão.
 
Dar é um ato de sabedoria. Um escritor inglês fala de uma família mais ou menos próspera, que conheceu certa vez.
 
Uma tia sua, já idosa, vivia com poucos recursos e, por isso mesmo, com dificuldades. Mas ela alimentava verdadeiro horror a qualquer coisa que pudesse lhe parecer caridade.
 
Quando soube, através de um advogado, que a tia pobre e orgulhosa havia herdado uma pequena herança de um primo distante, em verdade somente algumas libras que seriam gastas em pouco tempo, arranjou secretamente com o advogado para que fosse adicionado à herança um capital considerável que ele mesmo providenciou.
 
Assim se fez e a tia viveu confortavelmente, sem jamais suspeitar do que fizera aquele bondoso sobrinho.
 
Em realidade, dentro do círculo familiar encontramos, por vezes, inúmeras oportunidades de auxílio oculto.
 
Conta-se o caso de um tal Sr. Hubert que encontrou uma excelente solução para um constrangedor problema de família.
 
O pai, que com ele morava, havia sido famoso por suas esculturas em madeira. Com a idade, muita da sua habilidade se perdera.
 
Assim, o ancião ia freqüentemente dormir com o coração partido por constatar que não conseguia esculpir como antes.
 
Pois o Sr. Hubert teve a idéia de levantar-se à noite, enquanto o pai dormia, para retocar o trabalho que aquele fazia durante o dia.
 
Com golpes hábeis, corrigia os defeitos. Pela manhã, quando o velho pai se levantava e olhava o trabalho, dizia satisfeito:
Nada mau! Nada mau! Ainda vou fazer alguma coisa muito bonita disto aqui.
 
Em determinado pais europeu existe uma maternidade com uma ala especial para mães solteiras. Todas as vezes que ali nasce um bebê de uma dessas moças, chega um grande ramalhete de flores.
 
Com ele, vem somente uma mensagem: “de alguém que compreende.”
 
Durante anos centenas de moças, se sentindo abandonadas e desesperadamente sós, têm encontrado esperança, alento para uma nova vida, simplesmente, por este ato de solicitude de uma criatura anônima, jamais identificada.
 
A dádiva secreta nem precisa ser muito cara ou requerer muito tempo. Exige apenas percepção aguda e um coração que compreenda.
 
Um certo médico, sabendo que um dos seus pacientes precisava muito de um medicamento caro, acima de suas posses, arranjou para que uma firma atacadista de produtos farmacêuticos enviasse o remédio necessário com uma etiqueta de “amostra grátis” colada no rótulo, enquanto ele mesmo, naturalmente, custeava tudo.
 
Tais criaturas que assim procedem entenderam muito bem o que nosso mestre e modelo, Jesus, ensinou: “não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita...”
 
***
 
Muita gente lamenta não poder fazer todo o bem que desejaria, por falta de recursos suficientes.
 
Mas com Jesus aprendemos que, quem deseja verdadeiramente ser útil a seus irmãos, encontrará sempre o meio de realizar o seu desejo.
 
Quem existe que não possa doar do seu trabalho, do seu tempo, do seu repouso para o seu próximo? Esta é a dádiva maior, a que podemos considerar preciosa como o óbolo da viúva de que nos fala o evangelho de Jesus.
 


 
Equipe de Redação do Momento Espírita, a partir da obra Remotos Cânticos de Belém, de autoria de Wallace Leal Rodrigues, cap. Dez horas, e em O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XIII, item 6.
 
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.