sexta-feira, 9 de novembro de 2012

"Se te propões à renovação com o Cristo, é imperioso suportes, pacientemente, as opiniões contraditórias em torno da diretriz diferente a que te afeiçoes. Se algum erro te assinala o passado, muitos te acreditarão de pés chumbados à sombra que, há muito, lá desterraste do espírito; se expressas algum voto de melhoria íntima, não obstante as deficiências naturais que ainda te marquem o início no aprendizado evangélico, há quem te exija espetáculos de grandeza, de um instante para outro; se te dispões a trabalhar no auxílio aos semelhantes de modo mais intenso, há quem veja desperdício em teus gestos de generosidade e beneficência; se nada mais podes dar ao necessitado além da migalha de tuas escassas reservas materiais, aparece quem te acuse de sovinice; se te corriges decididamente perante a verdade com o propósito de servi-la, há quem te interprete a espontaneidade por fanatismo; se te recolhes à gentileza e à serenidade, na execução da tarefa que o serviço do Senhor te atribui, surge quem te aponte por exemplar de pieguice ou indolência... Apesar de todos os palpites antagônicos, acerca de teu esforço e conduta, entra no imo da própria alma, observa se a sinceridade te preside as resoluções e os atos, no foro da consciência e, se te reconheces, diante, do Senhor, fazendo o melhor que podes, guarda o coração tranqüilo e prossegue, de esforço limpo e atitude reta, caminho adiante, na convicção de que "cada um de nós dará conta de si mesmo a Deus". (Emmanuel)


Oração a mim mesmo


 
Imagine fazer uma prece a você mesmo.
Imagine poder conversar consigo mesmo de uma forma suave, profunda, definitiva.
Quem sabe você poderia dizer assim:
"Que eu me permita olhar e escutar e sonhar mais.
Falar menos. Chorar menos.
Ver nos olhos de quem me vê a admiração que eles me têm, e não a inveja que prepotentemente penso que têm.
Escutar com meus ouvidos atentos, e minha boa estática, as palavras que se fazem gestos, e os gestos que se fazem palavras.
Permitir sempre escutar aquilo que não tenho me permitido escutar.
Saber realizar os sonhos que nascem em mim, e por mim e comigo morrem por eu não os saber sonhos.
Então, que eu possa viver os sonhos possíveis e os impossíveis.
Aqueles que morrem e ressuscitam, a cada novo fruto, a cada nova flor, a cada novo calor, a cada nova geada, a cada novo dia.
Que eu me permita o silêncio das formas, dos movimentos, do impossível, da imensidão de toda profundeza.
Que eu possa substituir minhas palavras pelo toque, pelo sentir, pelo compreender, pelo segredo das coisas mais raras, pela oração mental.
Que eu saiba dimensionar o calor, experimentar a forma, vislumbrar as curvas, desenhar as retas, e aprender o sabor da exuberância que se mostra nas pequenas manifestações da vida.
Que eu saiba reproduzir na alma a imagem que entra pelos meus olhos, fazendo-me parte suprema da natureza, criando-me e recriando-me a cada instante.
Que eu possa chorar menos de tristeza e mais de contentamento.
E que meu choro não seja em vão, e que em vão não sejam minhas dúvidas.
Que eu não tenha medo de nada, principalmente de mim mesmo. Que eu não tenha medo de meus medos!
Que eu adormeça toda vez que for derramar lágrimas inúteis, e desperte com o coração cheio de esperanças.
Que eu faça de mim uma pessoa serena, dentro de minha própria turbulência.
Humilde diante de minhas grandezas tolas e ingênuas...
Que eu possa ensinar o pouco que sei, e aprender o muito que não sei.
Traduzir o que os mestres ensinaram, e compreender a alegria com que os simples traduzem suas experiências.
Respeitar incondicionalmente o ser. O ser por si só, por mais nada que possa ter além de sua essência.
Auxiliar a solidão de quem chegou. Render-me ao motivo de quem partiu. E aceitar a saudade de quem ficou.
Que eu possa amar e ser amado. Que eu possa amar mesmo sem ser amado.
Fazer gentilezas quando recebo carinho. Fazer carinhos mesmo quando não recebo gentilezas.
Que eu jamais fique só, mesmo quando eu me queira só".
* * *
Quanto são importantes os momentos a sós conosco mesmo.
O exercício de se questionar, de conversar consigo, de se conhecer, é grande instrumento de evolução de que dispomos.
Na turbulência dos dias que não param, das muitas atividades e preocupações, esses momentos de meditação, de autoconvívio, irão determinar a saúde de nossa alma.
Muitos se perdem de si mesmos neste turbilhão ameaçador, e dificilmente se encontram a tempo.
Os que escolhem o caminho da meditação, da auto-análise, do autoconhecimento, adoecem menos e vivem mais - vida em abundância...
 


Redação do Momento Espírita com base no texto de Oswaldo Antônio Begiato, recebido pela internet.
Boa tarde!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.