quarta-feira, 10 de outubro de 2012

"Se a luz do Evangelho já te clareia o templo d’alma, não menoscabes o nosso dever cotidiano na construção do Reino do Amor. Recorda que, em te recebendo na assembléia de seguidores e aprendizes, revestiu-te o Senhor com o poder sublime da grande compreensão. Foste assim, chamado a auxiliar onde a ignorância perdeu a fé na vitória da luz e a abençoar onde a sombra reprova e amaldiçoa... Não exijas, desta forma, que outros te guardem o lugar, substituindo-te no apostolado do Eterno Bem... Muitas vezes, perdes tempo e energia reclamando a alheia cooperação... Esqueces-te de que muitos se demoram na corrente asfixiante do ouro sem proveito, conquistando a penúria, ou na guerra improfícua das próprias paixões desencadeadas, obtendo o salário do sofrimento. Olvidas que muitos ainda se comprazem na ilusão comprando o arrependimento tardio com as moedas do prazer ou se distraem, indiferentes, adquirindo, pouco a pouco, o vírus do remorso que lhes intoxicará os corações. Não te percas nas reclamações inúteis e infelizes, solicitando-lhes o entendimento e o concurso que te não podem dar. Ao invés disso, auxiliemo-los, cada vez mais, amparando-lhes a peregrinação sem alarde e sem crítica, permitindo-lhes a leitura da Divina Revelação do Senhor no livro de nossas próprias almas. Não te esqueças de que hoje, Cristo e nós, estamos juntos para fazer o melhor. E, Cristo em nós, hoje e sempre, é a certeza de que o amor reinará triunfante entre os homens, convertendo a Terra em gloriosa Província do Céu." (Emmanuel)



RESPEITO MÚTUO


 
Compadece-te dos que não pensam com as tuas idéias e não lhes encareces a vida em tua própria vida, afastando-os da senda a que foram convocados.
Chamem-se pais ou filhos, cônjuges ou irmãos, amigos ou parentes, companheiros e adversários, diante de ti, cada um daqueles que te compartilham a existência é uma criatura de Deus, evoluindo em degrau diferente daquele em que te vês.
Ensina-lhes o amor ao trabalho, a fidelidade ao dever, o devotamento à compreensão e o cultivo da misericórdia, que isso é dever nosso, de uns para com os outros, entretanto, não lhes cerres a porta de saída para os empreendimentos de que se afirmam necessitados.
Habituamo-nos na Terra a interpretar por ingratos aqueles entes queridos que aspiram a adquirir uma felicidade diferente da nossa, entretanto, na maioria das vezes, aquilo que nos parece ingratidão é mudança do rumo em que lhes cabe marchar para a frente.
Quererias talvez titulá-los com os melhores certificados de competência, nesse ou naquele setor de cultura, no entanto, nem todos vieram ao berço com a estrutura psicológica indispensável aos estudos superiores e devem escolher atividades quase obscuras, não obstante respeitáveis, a fim de levarem adiante a própria elevação ao progresso.
Para outros, estimarias indicar o casamento que se te figura ideal, no campo das afinidades que te falam de perto, no entanto, lembra-te de que as responsabilidades da vida a dois pertencem a eles e não a nós, e saibamos respeitar-lhes as decisões.
Para alguns terás sonhado facilidades econômicas e domínio social, contudo, terão eles rogado à Divina Sabedoria estágios de sofrimento e penúria, nos quais desejem exercitar paciência e humildade.
Para muitos terás idealizado a casa farta de luxuosa apresentação e não consegues vê-los felizes senão em telheiros e habitações modestas, em cujos recintos anseiam obter as aquisições de simplicidade de que se reconhecem carecedores.
Decerto, transmitirás aos corações que amas tudo aquilo que possuis de melhor, no entanto, acata-lhes as escolhas se te propões a vê-los felizes.
Respeita os pensamentos e afinidades de cada um e aprende a esperar.
Todos estamos catalogados nas faixas de evolução em que já estejamos integrados.
Se entes queridos te deixam presença e companhia, não lhes conturbes a vida nem te entregues a reclamações.
Cada um de nós é atraído para as forças com as quais entramos em sintonia.
E se te parece haver sofrido esse ou aquele desgaste afetivo, não te perturbes e continua trabalhando na seara do bem.
Pelo idioma do serviço que produzas, chamarás a ti, sem palavras, novos companheiros que te possam auxiliar e compreender.
Não prendas criatura alguma aos teus pontos de vista e nem sonegues a ninguém o direito da liberdade de eleger os seus próprios caminhos.
Se as tuas afinidades pessoais ainda não chegaram para complementar-te a tranqüilidade e a segurança é que estão positivamente a caminho.
E assim acontecerá sempre, porque fomos chamados a amar-nos reciprocamente e não para sermos escravos uns dos outros, porque, em princípio, compomos uma família só e todos nós somos de Deus.


 
Emmanuel
Livro: Irmão - Psicografia de Francisco Cândido Xavier
 
 
 
Bom dia!!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.