terça-feira, 16 de outubro de 2012

"Quem colhe o prêmio da paz na mais alta recompensa é a pessoa que se cala quando recebe uma ofensa." (Sebastião Rios)

A paz começa em nossa intimidade


 
A senhora Ann Grace, moradora de uma pequena cidade norte-americana conta que, durante muitos anos, costumava ver os meninos da vizinhança a brincar de soldado e bandido. Brincar de guerra, como muitos garotos costumam fazer.
Ela teve a oportunidade de ver aquela geração crescer e ir para a guerra. E as vozes e gritos de comando, que antes eram de brincadeira, tornaram-se para eles uma sangrenta realidade. Agora o Você está ferido! Renda-se! era para valer.
Certo dia, quando alguns garotos invadiram o seu jardim, perseguindo outros, com suas metralhadoras de imitação, a Sra. Ann Grace, já com 68 anos de idade, chamou-os para junto de si.
E, quando todos os meninos se reuniram ao seu redor, ela lhes falou da guerra, dos armamentos, da loucura de derramar sangue humano.
Exaltou, depois, a paz e suas excelentes vantagens. Convenceu-os, por fim, a abandonar as armas de brinquedo e se servirem dos instrumentos esportivos e bolas que ela havia comprado para eles.
No dia seguinte, fizeram uma proclamação, assinada pela Sra. Ann e todos os garotos seus conhecidos. O documento dizia o seguinte: A paz começa em nossa rua. O mundo em que vivemos seria bem melhor sem armas e com mais justiça e amor.
E o pequeno pacto foi concluído por meio de uma fogueira feita com as armas e munições de brincadeira.
Contemplando, com satisfação, o seu grupo de ex-soldados e bandidos, a veneranda senhora exclamou mais uma vez: A paz começa em nossa rua.
Parafraseando a Sra. Ann Grace, diríamos que a paz começa em nossa intimidade. Somente depois ela invade o lar, sai para as ruas, se espalha pela cidade e ganha o mundo.
A própria Sra. Grace foi um exemplo disso. Se ela não tivesse sentido na alma a necessidade da paz, não teria proposto o desarmamento aos garotos.
Nos dias atuais, se todos os adultos tomassem uma sábia decisão como a da Sra. Grace, certamente o futuro da Humanidade mudaria o seu rumo.
Mas, para isso, é preciso entender que é loucura derramar sangue humano e compreender as excelentes vantagens de se viver em paz.
E essa paz não é apenas a ausência de guerras, mas a paz no seu mais abrangente sentido.
* * *
Em nome da paz espalhe amor aonde quer que você vá. Primeiro, em seu próprio lar, aos seus filhos e demais familiares.
Depois, ao seu vizinho de porta e aos outros moradores da sua rua.
Não deixe ninguém vir a você sem partir melhor ou mais feliz, com a paz que você lhe emprestou.
Seja a expressão viva da bondade de Deus: bondade em sua face, em seus olhos, em seu sorriso, bondade em seu caloroso cumprimento.
Esta é uma ótima receita para se conquistar a paz efetiva.


 
Redação do Momento Espírita, a partir de adaptação de história publicada na Revista Seleções Reader’s Digest, de março/1947 e de conselhos de Madre Tereza de Calcutá.
Em 17.07.2009.


 
 
Muita Paz!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.