segunda-feira, 28 de maio de 2012

..."Os elementos psíquicos que exteriorizamos pela boca são potências atuantes em nosso nome, fatores ativos que agem sob nossa responsabilidade, em plano próximo ou remoto, de acordo com as nossas intenções mais secretas. É imprescindível vigiar a boca, porque o verbo cria, insinua, inclina, modifica, renova ou destrói, por dilatação viva de nossa personalidade. Em todos os dias e acontecimentos da vida, recordemos com o Divino Mestre de que as palavras procedem do coração e, por isso mesmo, contamina o homem." (Emmanuel)

Bom Dia - Recados e Imagens (11448)
Quanto vale um amigo


Uma árvore, dizem, não fica de costas para ninguém.
Por mais que se dê a volta em torno dela, ela sempre estará de frente para a pessoa.
Os verdadeiros amigos também...
Quando as dificuldades surgem, quando a calúnia chega, quando todos apontam erros, o amigo permanece ao lado.
Não concorda com o erro, mas está pronto a auxiliar o amigo que se equivocou, deixou-se envolver pela paixão, permitiu-se um deslize.
Dizem os chineses que árvore plantada com amor, nenhum vento derruba.
Uma verdadeira amizade, também. Nada a perturba. Atravessa o oceano da intriga, a salvo.
Antes de julgar o amigo, recorda a quanto tempo o conhece, o que tem recebido dele, todas as suas ações ao longo desse tempo.
Quem planta árvores, cria raízes. Quem cultiva bons amigos, também!
Pode-se mudar de cidade, estado ou país. Os amigos serão sempre as raízes que nos manterão ligados.
Mesmo à distância, enquanto sopram os ventos da adversidade, as raízes da amizade propiciarão fortaleza para os embates.
O pensamento, um telefonema, uma carta, um bilhete. Tudo é motivo de fortalecimento da amizade.
As árvores, como os amigos, produzem beleza para os olhos e os ouvidos, na mudança sutil de suas cores.
Passa o tempo. Dobram-se os anos. Os cabelos ficam nevados. A pele já não apresenta mais o frescor da juventude.
As mãos demonstram a ação dos anos sobre anos.
O amigo permanece fiel.
Ouve as confidências do coração, participa das suas dores. Sob pretexto algum, no presente ou no futuro, revelará o que um coração a outro segredou, em momento de total confiança.
A árvore é sombra protetora, como os amigos. Sombra que varia com o dia, que avança e faz variados rendados de luz semelhantes a estrelas.
Na juventude, a amizade é arrebatada e quase sempre está ligada à defesa de ideais semelhantes.
Na madureza, ela se solidifica. Na velhice, ela se apresenta mais sólida do que nunca, nutrida, ao longo dos anos, pelas tantas demonstrações de atenção, afeto e companheirismo.
As árvores são sinônimo de eternidade... E uma verdadeira amizade também é para sempre!
E quando se fala para sempre, transcende-se a morte. Verdadeiros amigos se tornam, quando partem antes, conselheiros ou protetores dos que permanecem no corpo.
Visitam-nos, durante o sono, traduzindo-se a lembrança como um sonho bom com quem nos antecedeu a entrada na pátria do Espírito.
Quem transita no mundo, tendo ao seu lado o calor de uma amizade, anda com maior segurança. Sabe que, se errar, o amigo lhe apontará o erro.
Se cair em desgraça financeira, sempre terá quem o auxilie na busca de novos empreendimentos, e o socorra nas carências maiores.
Quem tem um amigo pode-se considerar aquinhoado com tesouro inigualável.
* * *
Nunca te canses de ser amigo.
É possível que, por vezes, algumas atitudes te desencorajem a prosseguir na estrada dessa ou daquela amizade.
Pensa, no entanto, que a amizade é como precioso diamante cuja essência brilhante necessita de lapidação para mostrar todo seu valor.
Persiste no sentimento.
Insiste na excelência da amizade sem limite e descobrirás que aquele a quem devotas amizade, te devolverá em bênçãos tudo quanto lhe ofertastes, nos dias de sandice, necessidade e carência.
Sê, portanto, amigo sempre!


Redação do Momento Espírita, com base em texto que circula pela Internet, atribuído a Tito Von Saltiel.
Em 11.03.2011.
 
 
 

Boa Semana - Recados e Imagens (11242)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigada por comentar!
Adorei!
Com estima e apreço,
Myrna.