quinta-feira, 31 de maio de 2012

..."Se pretendes adquirir companheiros e colaboradores, a irritação é um antigo processo de perder amizades. Lembra-te de que ninguém consegue algo realizar sem os outros e de que os outros não são culpados por nossas indisposições e insucessos. Ninguém sabe até hoje onde termina o mau humor e começa a enfermidade. Não se sabe de ninguém até agora que o azedume tenha auxiliado. Se você deseja livrar-se dessa máscara destruidora, cultiva a paciência e aprende a sorrir." (Emmanuel)



Algo para não esquecer


Sua presença é um presente para o mundo.

Você é única e só há uma igual a você.

Sua vida pode ser o que você quer que ela seja.

Viva os dias, apenas um de cada vez.

Conte suas bênçãos, não seus problemas.

Você os superará venha o que vier.

Dentro de você há muitas respostas.

Compreenda, tenha coragem, seja forte.

Não coloque limites em si mesmo.

Muitos sonhos estão esperando para serem realizados.

As decisões são muito importantes para serem deixadas ao acaso.

Alcance seu máximo, seu melhor e seu prêmio.

Nada consome mais energia do que a preocupação.

Quanto mais tempo se carrega um problema, mais pesado ele fica.

Não leve as coisas tão a sério.

Viva uma vida de serenidade, não de arrependimentos.

Lembre-se que um pouco de amor dura muito.

Lembre-se muito disso: dura para sempre.

Lembre-se que a amizade é um investimento sábio.

Os tesouros da vida são todas as pessoas.

Perceba que nunca é tarde demais.

Faça coisas simples de uma forma simples.

Tenha saúde, esperança e felicidade.

Encontre tempo para fazer pedidos a uma estrela.

E nunca, jamais esqueça
Por sequer um dia
o quanto você é especial.



(Desconheço a Autoria)



 
 
 

..." Nos momentos de mudança e renovação para aqueles a quem mais amas, afasta de ti a ideia de separação e não te lastimes. Prossegue trabalhando, porque, pelos Desígnos da Vida Superior, outros virão ao teu encontro para a execução das tarefas que o mundo te conferiu e os que se afastão de ti voltarão depois, com mais força de amor, a fim de te auxiliarem ou serem auxiliados. A verdade não se deteriora. Somente perde os seres queridos aqueles que possessivamente os procura, quando se fazem distantes, porquanto quem ama, ama sempre, e de tal modo que, ainda mesmo quando os corações amados se distanciam, o coração que ama prossegue amando-os e abençoando-os, sabendo conscientemente que, pelas forças do espírito, jamais dele se afastará. (Emmanuel)



Agindo com bom senso
 
 
Como você costuma buscar a solução para os problemas que surgem na sua vida?
Talvez esta pergunta pareça tola, mas o assunto é de extrema importância quando desejamos corrigir o passo e evitar novos tropeços.
O que geralmente acontece, quando desejamos resolver algum problema, é fazer exatamente o caminho mais difícil.
No entanto, como o sucesso da ação depende do meio utilizado ou da estratégia criada para a solução, vale a pena pensar um pouco sobre nossa forma de agir.
Por vezes, nos movimentamos freneticamente para um lado e para o outro, e esquecemos de que movimentos desordenados não nos levarão a lugar nenhum.
Movimentar-se nem sempre significa agir com discernimento.
Comumente confundimos a urgência com a pressa, e atropelamos as coisas.
A situação pode exigir atitudes urgentes, o que não significa apressadas.
Quando agimos apressadamente, sem fazer uso da razão, é mais fácil o equívoco. Quando agimos sob o domínio da emoção, o resultado é quase sempre desastroso.
A emoção não é boa conselheira, quando se trata de resolver questões urgentes.
Um exemplo pode tornar mais fácil a nossa compreensão.
Se uma cobra venenosa nos morde e inocula seu veneno em nosso corpo, o que fazer?
Uns saem correndo atrás da víbora para matá-la, e acabar de vez com o problema, numa atitude insana de vingança.
Seria essa a decisão acertada?
A movimentação só faria o veneno se espalhar rapidamente pela corrente sanguínea, piorando as coisas.
No entanto, a ação mais eficaz seria buscar ajuda o mais breve possível, para evitar danos maiores.
Mas nem sempre a ira nos permite agir sensatamente.
Se uma pessoa nos ofende ou nos contraria frontalmente, geralmente revidamos ou mantemos o efeito do veneno durante dias, meses ou anos...
Ressentimento quer dizer sentir e voltar a sentir muitas vezes.
Quando isso acontece, a mágoa vai se tornando cada vez mais viva e mais intensa.
A ação mais acertada, neste caso, não seria tratar de eliminar o veneno de nossa intimidade?
Para tomar decisões lúcidas, é preciso fazer uso da razão, e não se deixar levar pela emoção.
Quando a emoção governa nossas ações, geralmente o arrependimento surge logo em seguida.
Assim sendo, é importante pensar bem antes de agir para evitar que, em vez de solucionar os problemas, os compliquemos ainda mais.
Se, num momento crítico, a emoção nos tomar de assalto, é melhor sair de cena por alguns instantes, ou deixar que os ânimos se acalmem, antes de qualquer atitude.
Quando agimos com calma, fazendo uso da razão, é mais fácil encontrar soluções definitivas, em vez de piorar as coisas.
* * *
Lembre-se de que, em vez de correr atrás da cobra que nos mordeu, é mais racional buscar a solução do problema.
Quando você estiver às voltas com um problema qualquer, lembre-se de que a solução ou a complicação dependerá da sua ação.
Por isso, busque tomar a decisão mais favorável à resolução.
Lembre-se, ainda, de que a pressa nem sempre é boa conselheira e procure agir com sabedoria, que é sinal de bom senso.
 
 
Redação do Momento Espírita
Em 19.01.2009.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

..."Diante de criaturas que te golpeiem conscientemente a vida, impondo-te embaraços e desilusões, desculpa e esquece, renovando os próprios pensamentos na direção dos objetivos superiores que pretendas alcançar. E ainda mesmo que agressões e ofensas te firam nos recessos da própria alma, sugerindo-te duros acertos de conta, à face da manifesta injustiça com que te tratem, não passes recibo nas afrontas que te sejam endereçadas e nada reclames em teu favor. Não piores situações em que alguém te coloque, não te revoltes, nem te lastimes. Silencia e espera, porque Deus e o Tempo tudo esclarecem, restabelecendo a verdade, e, para que os irmãos enganados ou enrijecidos na ignorância se curem das ilusões e das crueldades a que se entregam, bastar-lhes-á simplesmente viver." (Emmanuel)




Boa Semana - Recados e Imagens (11153)
PETIÇÃO E RESPOSTA



Quando te dirijas à Divina Providência rogando algo, não te pemitas o mergulho na aflição improdutiva, capaz de conturbar-te o ambiente, retardando a concessão que desejas.
Entenderás isto facilmente, nas lições mais simples da vida prática.
Se requisitas do carro uma velocidade mais ampla em face daquela que o trânsito recomenda, sob o pretexto de pressa, inclinas-te, indiscutivelmente para o desastre.
Na hipótese de exigires da ponte transporte de carga determinada com o peso muito superior à capacidade da resistência em que se estrutura, com a desculpa de urgência, é provável que a desmanteles.
Quando espancas um vegetal, impiedosamente, a fim de senhorear-lhe algum fruto, sob o pretexto de fome, estarás reduzindo muitas das futuras possibilidades da árvore em teu prejuízo próprio.
Em te debruçando num poço, agitando-lhe o fundo, com a desculpa da sede, unicamente lhe turvas o líquido, tornando-o inadequado à própria saúde.
Em teus requerimentos à Vida Maior, formula-os com cuidado e continua no trabalho que o mundo te conferiu, esperando pela manifestação do Poder Divino, através das circunstâncias do caminho em que te encontras.
Inquietação desnecessária atrasa o socorro previsto.
Sejam quais forem os obstáculos que te surjam à frente, na expectativa do apoio que solicitas dos Céus, não desesperes, nem esmoreças.
Se a resposta do Mais Alto aos pedidos que fizeste parece demorar excessivamente, é que a tua rogativa decerto reclama análises mais profundas, a fim de que, futuramente, não te voltes contra as leis da vida, alegando haver caído na imprevidência que terá nascido de ti mesmo e não do Senhor que, sabiamente, nos reserva sempre o melhor.


Emmanuel
 
 
 
Quarta Feira: 1

terça-feira, 29 de maio de 2012

..."Dilacere-se-nos o ideal ou fira-se-nos a alma, apartemo-nos do mal e pratiquemos o bem possível, identifiquemos a verdadeira paz e sigamo-la. E tão logo alcancemos as primeiras expressões do sublime serviço, referente à própria edificação, lembremo-nos de que não basta evitar o mal e sim nos afastarmos dele, semeando sempre o bem, e que não vale tão-somente desejar a paz, mas buscá-la e segui-la com toda persistência de nossa fé." (Emmanuel)






A mais bela flor


O bosque estava quase deserto quando o homem se sentou para ler, debaixo dos longos ramos de um velho carvalho.
Estava desiludido da vida, com boas razões para chorar, pois o mundo estava tentando afundá-lo.
E, como se já não tivesse razões suficientes para arruinar o seu dia, um garoto chegou, ofegante, cansado de brincar.
Parou na sua frente, de cabeça baixa e disse, cheio de alegria:
Veja o que encontrei!
O homem olhou desanimado e percebeu que na sua mão havia uma flor.
Que visão lamentável! Pensou consigo mesmo.
A flor tinha as pétalas caídas, folhas murchas e, certamente, nenhum perfume.
Querendo ver-se livre do garoto e de sua flor, o homem desiludido fingiu pálido sorriso e se virou para o outro lado.
Mas, ao invés de recuar, o garoto sentou-se ao seu lado, levou a flor ao nariz e declarou com estranha surpresa:
O cheiro é ótimo e é bonita também...
Por isso a peguei. Tome! É sua.
A flor estava morta ou morrendo, nada de cores vibrantes como laranja, amarelo ou vermelho, mas ele sabia que tinha que pegá-la, ou o menino jamais sairia dali.
Então estendeu a mão para pegá-la e disse, um tanto contrafeito:
Era o que eu precisava.
Mas, ao invés de colocá-la na mão do homem, ele a segurou no ar, sem qualquer razão.
E, naquela hora, o homem notou, pela primeira vez, que o garoto era cego e que não podia ver o que tinha nas mãos.
A voz lhe sumiu na garganta por alguns instantes...
Lágrimas quentes rolaram do seu rosto enquanto ele agradecia, emocionado, por receber a melhor flor daquele jardim.
O garoto saiu saltitando, feliz, cheirando outra flor que tinha na mão e sumiu no amplo jardim, em meio ao arvoredo.
Certamente iria consolar outros corações que, embora tenham a visão física, estão cegos para os verdadeiros valores da vida.
Agora o homem já não se sentia mais desanimado e os pensamentos lhe passavam na mente com serenidade.
Perguntava-se como é que aquele garoto cego poderia ter percebido sua tristeza a ponto de aproximar-se com uma flor para lhe oferecer.
Concluiu que talvez a sua autopiedade o tivesse impedido de ver a natureza que cantava ao seu redor, dando notícias de esperança e paz, alegria e perfume...
E como Deus é misericordioso, permitiu que um garoto, privado da visão física, o despertasse daquele estado depressivo.
E o homem, finalmente, conseguira ver, através dos olhos de uma criança cega, que o problema não era o mundo, mas ele mesmo.
E, ainda mergulhado em profundas reflexões, levou aquela feia flor ao nariz e sentiu a fragrância de uma rosa...
* * *
Verdadeiramente cego é todo aquele que não quer ver a realidade que o cerca.
Tantas vezes, pessoas que não percebem o mundo com os olhos físicos, penetram as maravilhas que os rodeiam e se extasiam com tanta beleza.
Talvez tenha sido por essa razão que um pensador afirmou que o essencial é invisível aos olhos.


Redação do Momento Espírita com base em texto de autoria ignorada.
Disponível no livro Momento Espírita, v. 5, ed. Fep.
Em 13.03.2012.



segunda-feira, 28 de maio de 2012

..."O Mestre não prometeu claridade à senda dos que apenas falam e crêem. Assinou, no entanto, real compromisso de assistência contínua aos discípulos que o seguem. Nesse passo, é importante considerar que Jesus não se reporta a lâmpadas de natureza física, cujas irradiações ferem os olhos orgânicos. Assegurou a doação de luz da vida. Quem efetivamente se dispõe a acompanhá-lo, não encontrará tempo a gastar com exames particularizados de nuvens negras e espessas, porque sentirá a claridade eterna, dentro de sí mesmo. Quando fizeres, pois, o costumeiro balanço de tua fé, repara, com honestidade imparcial, se estás falando apenas do Cristo ou se procuras seguir-lhes os passos, no caminho comum." (Emmanuel)




Boa Semana - Recados e Imagens (11267)

"Mas os cuidados deste mundo, os enganos das riquezas e as ambições d´outras coisas,
entrando, sufocam a palavra, que fica infrutífera." - Jesus. (MARCOS, 4:19.)


A árvore da fé viva não cresce no coração, miraculosamente.
Qual acontece na vida comum, o Criador dá tudo, mas não prescinde do esforço da criatura.
Qualquer planta útil reclama especial atenção no desenvolvimento.
Indispensável cogitar-se do trabalho de proteção, auxílio e defesa. Estacadas, adubos, vigilância, todos os fatores de preservação devem ser postos em movimento, a fim de que o vegetal precioso atinja os fins a que se destina.
A conquista da crença edificante não é serviço de menor esforço.
A maioria das pessoas admite que a fé constitua milagrosa auréola doada a alguns espíritos privilegiados pelo favor divino.
Isso, contudo, é um equívoco de lamentáveis conseqüências.
A sublime virtude é construção do mundo interior, em cujo desdobramento cada aprendiz funciona como orientador, engenheiro e operário de si mesmo.
Não se faz possível a realização, quando excessivas ansiedades terrestres, de parceria com enganos e ambições inferiores, torturam o campo íntimo, à maneira de vermes e malfeitores, atacando a obra.
A lição do Evangelho é semente viva.
O coração humano é receptivo, tanto quanto a terra.
É imprescindível tratar a planta divina com desvelada ternura e instinto enérgico de defesa.
Há muitos perigos sutis contra ela, quais sejam os tóxicos dos maus livros, as opiniões ociosas, as discussões excitantes, o hábito de analisar os outros antes do auto-exame.
Ninguém pode, pois, em sã consciência, transferir, de modo integral, a vibração da fé ao espírito alheio, porque, realmente, isso é tarefa que compete a cada um.


Livro: Vinhas de Luz - Emmanuel - Psicografia de Chico Xavier
Boa Tarde - Recados e Imagens (11306)
Boa Semana - Recados e Imagens (11189)

..."Os elementos psíquicos que exteriorizamos pela boca são potências atuantes em nosso nome, fatores ativos que agem sob nossa responsabilidade, em plano próximo ou remoto, de acordo com as nossas intenções mais secretas. É imprescindível vigiar a boca, porque o verbo cria, insinua, inclina, modifica, renova ou destrói, por dilatação viva de nossa personalidade. Em todos os dias e acontecimentos da vida, recordemos com o Divino Mestre de que as palavras procedem do coração e, por isso mesmo, contamina o homem." (Emmanuel)

Bom Dia - Recados e Imagens (11448)
Quanto vale um amigo


Uma árvore, dizem, não fica de costas para ninguém.
Por mais que se dê a volta em torno dela, ela sempre estará de frente para a pessoa.
Os verdadeiros amigos também...
Quando as dificuldades surgem, quando a calúnia chega, quando todos apontam erros, o amigo permanece ao lado.
Não concorda com o erro, mas está pronto a auxiliar o amigo que se equivocou, deixou-se envolver pela paixão, permitiu-se um deslize.
Dizem os chineses que árvore plantada com amor, nenhum vento derruba.
Uma verdadeira amizade, também. Nada a perturba. Atravessa o oceano da intriga, a salvo.
Antes de julgar o amigo, recorda a quanto tempo o conhece, o que tem recebido dele, todas as suas ações ao longo desse tempo.
Quem planta árvores, cria raízes. Quem cultiva bons amigos, também!
Pode-se mudar de cidade, estado ou país. Os amigos serão sempre as raízes que nos manterão ligados.
Mesmo à distância, enquanto sopram os ventos da adversidade, as raízes da amizade propiciarão fortaleza para os embates.
O pensamento, um telefonema, uma carta, um bilhete. Tudo é motivo de fortalecimento da amizade.
As árvores, como os amigos, produzem beleza para os olhos e os ouvidos, na mudança sutil de suas cores.
Passa o tempo. Dobram-se os anos. Os cabelos ficam nevados. A pele já não apresenta mais o frescor da juventude.
As mãos demonstram a ação dos anos sobre anos.
O amigo permanece fiel.
Ouve as confidências do coração, participa das suas dores. Sob pretexto algum, no presente ou no futuro, revelará o que um coração a outro segredou, em momento de total confiança.
A árvore é sombra protetora, como os amigos. Sombra que varia com o dia, que avança e faz variados rendados de luz semelhantes a estrelas.
Na juventude, a amizade é arrebatada e quase sempre está ligada à defesa de ideais semelhantes.
Na madureza, ela se solidifica. Na velhice, ela se apresenta mais sólida do que nunca, nutrida, ao longo dos anos, pelas tantas demonstrações de atenção, afeto e companheirismo.
As árvores são sinônimo de eternidade... E uma verdadeira amizade também é para sempre!
E quando se fala para sempre, transcende-se a morte. Verdadeiros amigos se tornam, quando partem antes, conselheiros ou protetores dos que permanecem no corpo.
Visitam-nos, durante o sono, traduzindo-se a lembrança como um sonho bom com quem nos antecedeu a entrada na pátria do Espírito.
Quem transita no mundo, tendo ao seu lado o calor de uma amizade, anda com maior segurança. Sabe que, se errar, o amigo lhe apontará o erro.
Se cair em desgraça financeira, sempre terá quem o auxilie na busca de novos empreendimentos, e o socorra nas carências maiores.
Quem tem um amigo pode-se considerar aquinhoado com tesouro inigualável.
* * *
Nunca te canses de ser amigo.
É possível que, por vezes, algumas atitudes te desencorajem a prosseguir na estrada dessa ou daquela amizade.
Pensa, no entanto, que a amizade é como precioso diamante cuja essência brilhante necessita de lapidação para mostrar todo seu valor.
Persiste no sentimento.
Insiste na excelência da amizade sem limite e descobrirás que aquele a quem devotas amizade, te devolverá em bênçãos tudo quanto lhe ofertastes, nos dias de sandice, necessidade e carência.
Sê, portanto, amigo sempre!


Redação do Momento Espírita, com base em texto que circula pela Internet, atribuído a Tito Von Saltiel.
Em 11.03.2011.
 
 
 

Boa Semana - Recados e Imagens (11242)

domingo, 27 de maio de 2012

..."É imprescindível alçar a lâmpada sublime da fé, acima das sombras. Irmão muito amado, que te conservas sob a divina árvore da vida, não te fixes tão-somente nos frutos da oportunidade perdida que deixaste apodrecer, ao abandono... Não te encarceres no campo inferior, a comtemplar tristezas, fracassos, desenganos!... Olha para o alto!... Repara as frondes imortais, balouçando-se ao sopro da Providência Divina! Dá-te aos labores da ceifa e observa que, se as raízes ainda se demoram presas ao solo, os ramos viridentes, cheios de frutos substanciosos, avançam no Infinito, na direção dos Céus." (Emmanuel)




Não precisa mudar o mundo

Era uma vez um rei que governava um próspero país. Certo dia, ele resolveu conhecer algumas áreas distantes de seu reino.
Por vários dias ele percorreu grande extensão de estradas. Mas, quando retornou ao seu palácio, chamou seus súditos e reclamou que seus pés estavam feridos e doíam muito.
Afinal, era a primeira vez que ele fazia uma viagem tão longa por estradas tão ásperas e cheias de pedregulhos.
Pensou numa maneira de resolver o problema. Logo, teve uma ideia. Ordenou que seus servos recobrissem todas as estradas do seu país com couro.
Seria uma obra muito cara, pois custaria a vida de milhares de vacas e bois.
Então, um dos mais sábios entre os servos ousou fazer uma sugestão ao rei dizendo-lhe:
Por que o rei tem que gastar essa enorme quantia de dinheiro? Não seria mais prático e mais barato mandar cortar um pequeno pedaço de couro para cobrir seus pés?
O rei ficou surpreso, mas aceitou a sugestão. Mandou cortar um pedaço de couro e fazer uma proteção para seus pés, a fim de evitar os ferimentos nas próximas viagens.
Às vezes, nós também costumamos ter ideias semelhantes à do rei, tentando resolver os problemas da maneira mais difícil.
Insatisfeitos com o mundo, desejamos mudá-lo, em vez de efetuar as mudanças necessárias em nós mesmos.
Movidos pelo desejo de pavimentar estradas sem espinhos nem obstáculos, esquecemos das proteções que devemos construir na intimidade da própria alma, e queremos mudar a situação ao redor, a todo custo.
Se não desejamos sofrer os ferimentos da vaidade, é preciso recobrir a alma com a proteção da modéstia.
Se queremos evitar os pedregulhos do orgulho, é necessário proteger a alma com o algodão da humildade.
Se não desejamos sofrer a dor provocada pelos espinhos do egoísmo, busquemos desenvolver a couraça da fraternidade.
Se a situação ao redor nos desagrada e nos fere com frequência, o melhor a fazer é buscar a reformulação dos próprios atos, na certeza de que não precisamos mudar o mundo, mas efetuar as reformas necessárias em nosso comportamento, em nossa forma de ser.
A melhor maneira de nos proteger dos pedregulhos da caminhada, evitando os ferimentos, é revestir a alma com o couro da verdadeira caridade, entendendo que o mais infeliz é sempre aquele que fere, aquele que ofende.
Jesus, o Sublime Galileu, experimentou todo tipo de agressão e, no entanto, nunca perdeu a serenidade e foi sempre o vitorioso.
Que importava se o mundo exterior era cheio de pedregulhos e espinhos se Sua alma estava revestida de paz e confiança em Deus?
Jesus, mesmo sendo o Espírito mais sábio de que se teve notícias, jamais desejou mudar o mundo, mas deixou sempre o convite para todos aqueles que desejem seguir a Sua trilha. A trilha que conduz à felicidade plena, acima das imperfeições deste mundo.
Assim, se você está indignado com a situação a sua volta e deseja mudar o mundo, lembre-se que isso só será possível começando por mudar a si mesmo.
* * *
Toda mudança exige esforços e uma grande dose de coragem.
A maioria de nós prefere criticar os outros e responsabilizá-los pelo que não está certo.
No entanto, às vezes é preciso um autoenfrentamento com toda sinceridade a fim de repensar atitudes e tomar decisões importantes para o próprio crescimento.
O que não devemos esquecer jamais é que somos Espíritos milenares e que trazemos uma grande soma de experiências e hábitos adquiridos ao longo da caminhada evolutiva.
E precisamos admitir a hipótese de que somos os construtores da própria infelicidade de hoje, graças aos hábitos dos quais não queremos abrir mão.
E, se assim é, se desejamos alcançar a felicidade almejada, é preciso despojar-nos do manto escuro das imperfeições que nos pesa nos ombros, a fim de alçar o voo definitivo em direção à luz.


Redação do Momento Espírita com base em texto retirado de The prayer of the frog, tradução de Sérgio Barros.
Em 13.11.2010.

sábado, 26 de maio de 2012

..."Recomendou o Senhor seja o Evangelho pregado a todas as criaturas; entretanto, com semelhante advertência não espera que os seguidores se convertam em demagogos contumazes, e, sim, em mananciais ativos do bem a todos os seres, através de ações e ensinamentos, cada qual na posição que lhe é devida. Ninguém se confie à aflição para impor os princípios evangélicos, nesse ou naquele setor da experiência que lhe diga respeito. Muitas vezes, o que parece amor não passa de simples capricho, e, em consequência dessa leviandade, é que encontramos verdadeiras maltas de cães avançando em coisas santas." (Emmanuel)




As faces da verdade


As crianças tagarelavam animadamente enquanto a professora preparava a sala para começar a atividade do dia.
Em silêncio, ela arrumou as cadeiras das crianças e a sua própria em círculo e no meio colocou uma caixa forrada com um papel bastante colorido.
Sua atitude despertou a curiosidade dos alunos que, sentados em círculo, pouco a pouco, pararam de conversar, interessados no que poderia haver ali.
Afinal, era um objeto diferente.
Embora originariamente tivesse sido uma simples caixa de sapatos, foi tornada especial e interessante pelo papel colorido que a forrava e pelos variados desenhos que cobriam todos os lados.
Cada um de vocês, sem sair do lugar onde está, nem falar com os colegas, deverá relacionar os desenhos que veem estampados na caixa. Orientou a professora.
Em silêncio, os alunos passaram a anotar em uma folha o que conseguiam ver.
Logo em seguida, a professora pediu para uma das crianças:
Leia, por favor, o que você vê desenhado na caixa.
Há uma bola, um lápis e uma flor amarela. Respondeu prontamente uma garotinha.
Passando a olhar para a criança que estava exatamente na frente daquela que havia falado, a professora perguntou:
A sua lista coincide com a de sua colega?
Não. Respondeu um pouco desconfiado o menino a quem havia sido dirigida a palavra. Eu vejo desenhados na caixa um pião, um carrinho e uma laranja.
Pois, bem. disse a professora, olhando para os demais alunos. Quem dos nossos colegas está com a razão?
E um grande burburinho se estabeleceu.
As crianças começaram a falar simultaneamente, cada qual dizendo o que via, o que não coincidia com o que os demais falavam.
Passado apenas um instante, a professora reassumiu a palavra, pedindo silêncio e explicando a questão.
Imaginem que a caixa que vocês estão vendo é a verdade.
Cada qual consegue apenas visualizar um ângulo da caixa.
Não é possível saber o que o colega que está sentado à sua frente pode ver.
Tampouco qualquer de vocês sabe qual é o desenho que há na parte debaixo. Disse ela, erguendo a caixa e mostrando que, também na parte inferior, havia uma bela figura estampada.
* * *
A verdade é única e incapaz de se amoldar aos interesses individuais.
Ela exige, porém, que cada um busque ângulos diferentes, conhecimentos mais amplos, para que possa estabelecer um juízo mais seguro a respeito de qualquer assunto.
Acreditar que apenas o nosso ponto de vista está correto pode provocar discórdias e equívocos.
Nossa percepção, por vezes, está limitada a apenas uma das diversas faces da caixa, um dos vários aspectos da verdade.
Afinal, normalmente, cada qual vê apenas uma face da mesma caixa.
Ao invés de crermos que somos os donos da verdade, cabe-nos a humildade e a sabedoria de tentar entender os motivos que fazem os outros se posicionarem de forma tão diferente da nossa.
Quando Jesus nos disse que a verdade será motivo de nossa libertação, Ele não se referia às verdades parciais que cada um estabelece para si próprio.
Mas sim, à verdade plena e incorruptível, à qual somente teremos condições de alcançar quando abandonarmos de vez o orgulho que entorpece nossos sentidos e cega nossa razão.


Redação do Momento Espírita.
Em 29.07.2011.
 
 
 

sexta-feira, 25 de maio de 2012

..." Não olvides, pois, que, antes das obras externas de qualquer natureza, sempre fáceis e transitórias, tens por fazer a construção íntima da sabedoria e do amor, muito difícil de ser realizada, na verdade, mas, por isto mesmo, sublimada e eterna." (Emmanuel)



Recados de Bom Final de Semana

A Última carta
 
Um amoroso pai de família, dias antes de ser hospitalizado, enviou, pela Internet, uma carta a seus filhos, com a seguinte mensagem:
Filhos amados.
Quando as coisas estiverem difíceis, abram bem os olhos e busquem o céu.
Vejam como é imenso.
Olhem a natureza e percebam como ela é incrivelmente linda, em cada detalhe.
Olhem as cidades, seus prédios, os carros e notem tudo o que a vontade do homem já foi capaz de produzir.
Sintam que cada um de vocês faz parte da Criação de Deus.
Que cada um integra a própria natureza.
E que cada um também tem de construir e de alterar um pouco de sua própria cidade.
Percebam que vocês, aqui e agora, fazem parte de uma sociedade que constrói um mundo novo.
Apesar da sensação de pequenez diante da grandeza do Universo e, embora, por vezes, vocês se sintam sozinhos e sem forças, na verdade, cada um é importante e necessário na sinfonia da vida.
O amor e a alegria de vocês produzem uma energia única, capaz de transformar o meio em que vivem e as pessoas que os cercam.
Cada um pode levar mais luz ao caminho que palmilha, por intermédio de seu sorriso e de seu trabalho.
E assim, pode iluminar outras vidas e enternecer outros seres.
Não esperem que o mundo, que os outros façam algo por vocês.
Respirem fundo e pensem: "O que eu posso fazer pelo mundo?
O que posso fazer pelos outros?"
Nunca esqueçam que cada um colhe aquilo que plantou.
Que os espinhos que hoje nos ferem as mãos são o resultado de uma semeadura equivocada do passado, próximo ou não.
Se desejam uma estrada ladeada de flores, é preciso que elas sejam semeadas desde agora, por cada um de vocês.
Acreditem: Deus está presente em tudo e em toda parte.
Um dia a própria ciência humana, ainda tão limitada, será capaz de admitir e de comprovar essa valiosa verdade.
* * *
Embora seu corpo físico não tenha resistido à doença que subitamente o atingiu, as palavras de amor e de fé daquele pai ainda ecoam no coração daqueles que o amam.
Foi sua última carta.
Uma mensagem estimulando seus amores ao caminho do bem, na direção do Criador.
* * *
A fragilidade de nossa existência corpórea não nos permite ter certeza de que nossos olhos se abrirão na próxima manhã.
Não sabemos quando será o nosso momento de partir para o outro plano da vida.
Talvez ele tarde, talvez não.
Quem sabe se as palavras que dissemos há pouco não foram as últimas desta existência?
Como saber se o até logo com que nos despedimos de nossos amores, minutos atrás, não foi o último adeus que esta vida nos ofereceu?
Por isso, despeça-se sempre com palavras de carinho e de otimismo.
Aproveite todas as oportunidades que tiver para transmitir mensagens positivas a quem quer que seja.
Dê bons exemplos e seja coerente em suas atitudes.
Diga àqueles que lhe são caros, sempre que possível, o quanto os ama e como eles são importantes para você.
Um dia, mais cedo ou mais tarde, inevitavelmente, a partida será real e então, as lágrimas serão decorrentes da saudade e não do arrependimento pelas oportunidades desperdiçadas.
 
 
Redação do Momento Espírita, com base na mensagem redigida por Elias Siqueira Saliba a seus filhos, recebida via Internet.Em 22.08.2011.
 

quinta-feira, 24 de maio de 2012

..."Onde esteja a possibilidade de sermos úteis, avancemos, de ânimo forte, para a frente, construindo o bem, ainda que defrontados pela ironia, pela frieza ou pela ingratidão, porque, conforme a palavra iluminada do apóstolo aos gentios: 'Deus não nos deu o espírito de temor, mas de fortaleza, amor e moderação'. " (Emmanuel)




 
Reclamar e exemplificar
 
 
Na vida cotidiana, são constantes as reclamações a respeito do proceder alheio.
É comum se achar que o outro faz pior ou menos do que deveria.
Empregados criticam os patrões.
Empregadores acham que seus contratados não trabalham como deveriam.
Esposas consideram que seus maridos não as auxiliam o suficiente nas tarefas do lar.
Esposos se sentem incompreendidos quanto ao cansaço que decorre de seu trabalho.
De um modo ou de outro, sempre se espera bastante do próximo.
Ocorre que ninguém consegue modificar o semelhante à custa de meras exigências ou reclamações, por fundadas que pareçam.
Já grande é o poder transformador do exemplo.
Mais efetivo do que bradar contra os erros do mundo é viver com acerto.
Se você ainda não pode ser considerado um padrão de conduta, lembre-se de que dispõe de pleno poder modificativo sobre si próprio.
A qualquer momento, pode decidir ser compreensivo, trabalhador, generoso e puro.
Por certo, o mundo desafiará tais decisões, tão logo sejam tomadas.
Mas tudo tem um princípio e demora um tempo para se consolidar.
Os maus hábitos de hoje foram construídos em algum momento da jornada milenar.
Em algum instante, a criatura se permitiu o princípio de qualquer leviandade que hoje a infelicita.
Vícios e virtudes são a tragédia ou o tesouro que se constrói com o tempo.
Os vícios ensejam dores e candidatam seu possuidor a sacrificadas vivências de depuração.
Já as virtudes trazem paz e plenitude.
Para ser feliz, incumbe a cada qual desenvolver em si as virtudes mais sublimes, passo a passo.
Cesse, pois, reclamações e pare de se angustiar com o proceder alheio.
Perante o egoísmo que impera no mundo, seja quem auxilia e ampara.
Em face de perversões, mantenha um padrão puro de conduta.
Mesmo entre maledicentes, zele para que sua boca não seja causa de escândalo.
Em um ambiente corrupto, seja rigorosamente honesto.
É maravilhoso que você esteja em condições de perceber e viver o bem, enquanto muitos ainda não o conseguem.
Não menospreze essa dádiva, apenas com base no proceder equivocado dos outros.
Na impossibilidade de modificar o semelhante, cresça em compreensão.
E jamais olvide o poder dos exemplos.
Sua conduta ilibada e desprendida, cedo ou tarde, causará impacto nos que o rodeiam.
Revele a luz que existe em seu ser!
O primeiro a beneficiar-se da luminosidade será você, que gozará da bênção de uma consciência pacificada.
Pense nisso.
 
 
 
Redação do Momento Espírita.
Em 16.09.2009.